Após incêndio na Cinemateca, Mario Frias culpa PT e troca acusações com Paulo Pimenta no Twitter

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Após o incêndio que atingiu um galpão da Cinemateca Brasileira na noite desta quinta-feira, em São Paulo, o secretário especial de Cultura, Mario Frias, publicou nas redes sociais que o incidente é culpa do Partido dos Trabalhadores. Em resposta a um tuíte do deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), Frias afirmou que “o estado que recebemos a Cinemateca é uma das heranças malditas do governo apocalíptico do petismo”.

“O estado que recebemos a Cinemateca é uma das heranças malditas do governo apocalíptico do petismo, que destruiu todo o estado para rapinar o dinheiro público e sustentar uma imensa quadrilha de corrupção e sujeira criminosa. Não tivessem feito isto, teríamos verba para criar mil novas Cinematecas”, afirmou o secretário.

A resposta deu início a uma série de acusações entre os dois nas redes sociais que, em seguida, contou com a participação do ministro do Turismo, Gilson Machado. Paulo Pimenta chamou Frias de “imbecil” por culpar os governos da era PT pelo incêndio e atacou o secretário especial de Cultura.

“O imbecil do Mário Firas resolveu me responder afirmando que o incêndio na Cinemateca é culpa do Lula!! Além de incompetentemente, covarde e patético, o bobalhão acha que está representando. Vai te dar o respeito seu lambe botas de miliciano!!”, provocou.

Mario Frias rebateu mais uma vez, e levantou acusações de envolvimento do deputado federal em esquemas de corrupção com empreiteiras investigadas pela Operação Lava-Jato. Neste momento, Gilson Machado fez coro ao colega e questionou “Quantas Cinematecas seriam criadas com os bilhões que foram judicialmente devolvidos no Mensalão e na Lava Jato?”. Ele ainda provocou indiretamente o ex-presidente Lula, e disse que o “bolsonarismo não tem ex-presidiário”.

Em outra publicação, Pimenta voltou a chamar Frias de “imbecil” e se defendeu das acusações feitas por ele e Machado. O parlamentar ainda afirmou que o futuro do secretário será “bangu 8 com teus ‘parça’, irmãos metralhas milicianos.”

A Cinemateca Brasileira já enfrentou quatro incêndios. O mais recente, em fevereiro de 2016, destruiu definitivamente 270 títulos e outras 461 obras que tinham cópias de segurança. Em fevereiro de 2020, o local já havia sofrido com um alagamento, e na época, especialistas já alertaram para o risco iminente de um incidente mais grave, devido à má conservação do local, que abrigava material secundário do acervo, como mobiliário, fotografias, livros e folhetos. Ainda assim, durante o alagamento a água danificou 113 mil cópias de DVDs.

Mário Frias, que está em Roma acompanhando o ministro do Turismo, Gilson Machado, na primeira cúpula dos ministros da Cultura do G-20, se pronunciou em suas redes sociais. Frias afirmou ter solicitado à Polícia Federal verificar se o incêndio "foi criminoso ou não": "Tenho compromisso com o acervo ali guardado, por isso mesmo quero entender o que aconteceu". Além de Frias e Machado, integram a comitiva outros servidores do ministério, como o secretário Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura, André Porciúncula, a chefe da Assessoria Especial de Relações Internacionais do Ministério do Turismo, Débora Gonçalves.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos