Após internação de Bolsonaro, camarão volta ao debate político e rende memes: ‘Já foi filiado ao PSOL?’

·3 min de leitura

Depois que o médico de Jair Bolsonaro (PL) afirmou que a causa da obstrução intestinal que levou o presidente a ser internado, nesta semana, foi um camarão mal mastigado, o crustáceo voltou a ser assunto nas redes sociais e a gerar memes. Desde segunda-feira, dia em que o chefe do Executivo deu entrada no hospital Vila Nova Star, em São Paulo, a internação foi associada com termos correlatos a camarão em 42,9 mil mensagens no Twitter, mostra levantamento da consultoria Bites, a pedido do EXTRA.

Destas menções, 9,1 mil publicações relembraram um episódio do fim de 2021 que também teve a iguaria no centro do debate. Em novembro do ano passado, uma foto do ator Wagner Moura comendo uma "quentinha" com camarão em uma ocupação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), na Zona Leste de São Paulo, foi publicada nas redes sociais e provocou ataques ao artista e ao movimento por militantes de direita e críticos de Moura.

Nas redes, um dos ataques foi proferido pelo filho do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que questionou, na época, se seria o caso do “comunismo purinho, onde a elite do partido come camarão e o restante se vira e passa fome igual à exemplar Venezuela”. Em resposta, o MTST afirmou que “quem gosta de ver pobre roendo osso é o Bolsonaro".

Já nesta quarta-feira, quando o camarão voltou a ser pauta depois de ter sido causa do mais recente problema de saúde de Jair Bolsonaro, usuários críticos ao presidente relembraram nas redes o episódio envolvendo Wagner Moura, e ironizaram a coincidência com uma série de memes.

“Não foi o camarão do acarajé do MTST…”, brincou Guilherme Boulos em postagem no Twitter junto à notícia da causa da internação do presidente. “A carinha de quem sabe mastigar um camarão”, escreveu a conta do Acarajazz, serviço que foi responsável pelos acarajés distribuídos no evento do MTST, junto a uma foto do ator Wagner Moura.

“Bolsonaristas atacaram o MST por Wagner Moura ter comido marmita com camarão e por ironia do destino Bolsonaro passou mal por ter comido camarão”, escreveu um usuário.

“Alguém investigou se esse camarão já foi filiado ao PSOL? Alguém sabe se a barraca que vendeu o camarão não é financiada pelo Foro de SP? Muitas dúvidas ainda pairam no ar, não pode ter sido um simples acidente, nosso PR sempre foi um grande mastigador com saúde de atleta!”, brincou outro usuário em publicação na rede social.

"O filho de bolsonaro atacou os sem-teto por comer camarão enquanto o pai dele literalmente se entope de camarão às nossas custas", comentou a jornalista Cynara Menezes.

Apesar da repercussão, a diretora da consultoria Bites, Fabiana Parajara, destaca que os memes envolvendo os dois episódios foram restritos a contas consideradas de oposição a Bolsonaro na rede:

— O problema de saúde do presidente foi pauta de 1,4 milhão de mensagens — as ironias baseadas no MTST foram o equivalente a cerca de apenas 0,6% do total. Mesmo com a entrada de alguns influenciadores, as ironias ainda ficaram limitadas a uma audiência de oposição. Também vale pontuar que a narrativa irônica teve menos alcance do que as piadas envolvendo o sobrenome do ex-presidente Lula.

Os memes que mencionaram Lula (PT) foram compartilhados especialmente depois que o Sensacionalista, canal de sátiras em formato de notícias, publicou um post com o título: “Se camarão causou internação de Bolsonaro, imagina lula, diz especialista”. A publicação já ultrapassa 22 mil curtidas.

Em seguida, outras contas brincaram com o fato de o nome do ex-presidente ser também o de um fruto do mar. “Bolsonaro foi internado por não mastigar camarão, que já é o segundo bicho do mar a vencer o presidente em pesquisas”, escreveu outro usuário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos