Após invadirem residência presidencial, manifestantes incendeiam casa de primeiro-ministro do Sri Lanka

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Manifestantes incendiaram a casa particular do primeiro-ministro do Sri Lanka, Ranil Wickremesinghe, neste sábado, durante uma série de protestos intensos na capital do país, Colombo. Mais cedo, uma multidão invadiu a residência presidencial minutos depois de o presidente Gotabaya Rajapaksa abandonar o local. A forte crise econômica que o país enfrenta tem levado dezenas de milhares de pessoas às ruas, que pedem a renúncia de ambos os líderes.

Dia de protestos no país: Manifestantes invadem residência presidencial do Sri Lanka; veja vídeo

Primeiro-ministro anterior renunciou em maio: Após confrontos com três mortos e 150 feridos, irmão do atual chefe do governo, Mahinda Rajapaksa, deixou o cargo

O presidente Rajapaksa disse que deixará o cargo na próxima quarta-feira, 13 de julho, comunicou o presidente do Parlamento, Mahinda Yapa Abeywardena, em uma mensagem televisiva. A informação ainda não foi confirmada pelo próprio mandatário. O premier Wickremesinghe também chegou a afirmar que está disposto a renunciar ao cargo pela "proteção dos cidadãos" e para dar lugar a um “governo de unidade nacional”, mas sem informar uma data.

Depois da invasão à residência oficial do presidente, que foi transportado para um local secreto protegido pelo Exército, o primeiro-ministro convocou uma reunião de emergência para discutir uma "saída rápida" para a crise. Nem o presidente e nem o premier estavam em casa durante as invasões às suas casas.

Mais rápido que o choque da pandemia: Escalada dos preços empurrou 70 milhões de pessoas à pobreza em três meses, segundo a ONU

A família do presidente é uma das mais influentes na política do país. Seu irmão mais velho, o ex-presidente Mahinda Rajapaksa, deixou o cargo de primeiro-ministro em maio após embates entre seus simpatizantes e manifestantes antigoverno, que deixaram três mortos, um deles um deputado, e mais de 150 feridos. Além dele, três outros membros da família Rajapaksa renunciaram a cargos de alto escalão na época.

O país asiático passa pela pior crise econômica desde a independência, em 1948, sofrendo com a falta de combustível e remédios, além da inflação recorde. O governo declarou moratória da dívida externa de US$ 51 bilhões e iniciou negociações de resgate com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Assassinato de ex-premier japonês: Sem Shinzo Abe, Japão perde forte defensor da presença de armas nucleares no país

O cenário – atribuído à má gestão econômica e à redução do turismo provocada pela pandemia de Covid-19 – envolve cortes sucessivos de energia e longas filas nos postos de gasolina, o que tem levado o país a viver uma série de protestos violentos nos últimos meses, embora em menor escala do que neste sábado.

O Sri Lanka ficou sem reservas cambiais para a importação de itens essenciais como combustível e remédios, e as Nações Unidas alertaram que mais de um quarto dos 21 milhões de habitantes do país corre o risco de sofrer com falta de alimentos.

A crise econômica é um grande revés para o país, que ainda enfrenta o legado de uma sangrenta guerra civil de três décadas. O conflito, entre o governo e os insurgentes Tamil Tiger, que assumiram a causa da discriminação contra a minoria étnica tâmil, terminou em 2009. Mas muitas de suas causas permaneceram, com a família Rajapaksa continuando a servir aos interesses da maioria budista cingalesa. .

Durante as invasões, segundo mostram vídeos em mídias sociais, os manifestantes pularam na piscina da residência de Rajapaksa, descansaram nos quartos e fritaram lanches na cozinha presidencial.

— Vim aqui hoje para mandar o presidente para casa — disse Wasantha Kiruwaththuduwa, de 50 anos, que caminhou 16 quilômetros para se juntar ao protesto. — Agora o presidente deve renunciar. Se ele quer que a paz prevaleça, ele deve renunciar.

As especulações sobre o paradeiro de Rajapaksa duraram todo o dia e continuaram a se intensificar à noite, mas sua localização permaneceu incerta. Funcionários do Ministério da Defesa e do Exército não responderam imediatamente a perguntas sobre onde o presidente estava.

Segundo autoridades de saúde, pelo menos 42 pessoas ficaram feridas durante confrontos com a polícia, nos quais as forças de segurança usaram gás lacrimogêneo e canhões de água contra manifestantes e dispararam tiros para o ar para tentar dispersá-los.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos