Após Lula prometer revogação do teto de gastos, Bolsonaro admite mexer 'uma coisa ou outra' em 2º mandato

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Um dia após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometer revogar o teto de gastos caso seja eleito, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que é possível mexer em "uma coisa ou outra" no mecanismo, mas disse que só irá discutir isso após as eleições deste ano.

Leia: Após reunião com TSE, representantes do Telegram se encontram com Bolsonaro

Saiba mais: Lula e Bolsonaro começam a divulgar esboço de plano econômico; veja também propostas de Ciro e Tebet

Sonar: Bolsonaro e apoiadores ignoram desaparecimento de jornalista e indigenista na Amazônia nas redes

Em entrevista ao SBT News, Bolsonaro afirmou que a própria equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, já fez propostas de alteração no teto e que uma alternativa seria retirar algumas despesas do gasto obrigatório.

— Algumas coisas você pode mexer no teto de gastos, como já (houve) propostas da própria equipe do Paulo Guedes. Mas a gente vai deixar para discutir isso para depois das eleições. Você poderia tirar alguma coisa do gasto obrigatório. Você pode ver, nós tivemos excesso de arrecadação no ano passado em 300 bilhões de reais. Não fizemos nada com esse recurso, foi para abater dívida interna. Então uma coisa ou outra você poderia mexer.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos