Após manifestação, Suplicy tentou abraçar Mercadante e ouviu: 'Não precisa'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Após interromper, aos gritos, o lançamento das diretrizes de governo para a pré-candidatura à Presidência de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta terça-feira, o vereador Eduardo Suplicy (PT-SP) disse ter enviado uma carta ao coordenador do programa de governo, Aloizio Mercadante, ao pré-candidato a vice na chapa, Geraldo Alckmin, e a Lula para falar do episódio, mas não obteve resposta. Ao GLOBO, o ex-senador disse ter tentado abraçar Mercadante após a interrupção do evento, mas ouviu um "não precisa".

Datafolha: Veja a diferença nos desempenhos de Lula e Bolsonaro por segmento do eleitorado

Entenda: 'Não fui convidado', diz Suplicy ao interromper reunião do PT; assista ao vídeo

Eleições: Defesa e Forças Armadas apresentam notícia-crime contra Ciro Gomes por crítica a militares

'Boto a mão no fogo': Bolsonaro diz que Milton nem deveria ter sido preso

O senhor foi ou não foi convidado para aquela reunião?

O pai Rodney (William), de qual sou amigo, me mandou um recado: "Você vai amanhã na apresentação do programa do PT?" Eu respondi: Poxa, não fui convidado.

Por que o senhor decidiu fazer aquela intervenção?

Por causa das projeções na tela feitas pelo Mercadante e a apresentação oral dele, com as diversas diretrizes. Ele não mencionou o objetivo de implantar a renda básica e eu não tinha visto ainda o plano.

O senhor conversou com alguém depois do ocorrido?

O Mercadante preferiu não conversar comigo depois. Fui até a mesa lhe dar um abraço e ele disse: "Não precisa" e saiu. O Lula fez muitos elogios a mim. Embora citada (na primeira proposta), eu achei modesta a referência dada à renda básica de cidadania. Então eu mandei por escrito mais umas 50 linhas dizendo sobre isso. Inclusive, mandei três versões, a primeira com 50 linhas e a última eu cortei para simplificar. Eu imaginava que, na exposição, ele colocaria isso como um dos objetivos principais. O Brasil é o primeiro país do mundo que aprovou uma lei para instituir uma renda básica aprovada por todos os partidos. No Senado, em dezembro de 2002, e na Câmara em dezembro de 2003. O presidente Jair Bolsonaro, que era deputado federal, nada falou contra. Portanto, votou a favor.

O senhor teve algum retorno sobre a falta de resposta às suas mensagens?

Ontem escrevi uma carta. Mandei para o Mercadante, Lula e Alckmin explicando por que tive aquela atitude para que pudessem entender melhor. Por enquanto, não tive nenhum retorno.

O senhor ficou chateado?

O que posso lhe dizer é que houve um apoio fortíssimo à renda básica e todos querem que esteja de fato incluída no programa. Muitos me cumprimentam pela batalha.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos