Após mico em 2018, Neymar manteve fama de cai-cai contra a Sérvia? Saiba

Neymar, cai-cai? Se o atacante já teve essa fama — o EXTRA chegou a analisar, lance a lance, as quedas do craque na Copa de 2018 — ela ficou lá atrás, tombada em algum ponto de sua carreira. Pelo menos, se considerarmos a primeira partida da seleção no Catar. No jogo de estreia do Brasil, a análise do EXTRA mostra que o camisa 10 resistiu em pé, a maior parte do tempo, às trombadas dos gigantes sérvios.

Entre o início do primeiro tempo e a saída de campo, lesionado e chorando, aos 34 do segundo tempo, em nove ocasiões Neymar e o gramado do Estádio Lusail se encontraram. Até aí, nenhuma grande novidade: uma queda a cada 9 minutos, média exatamente igual à de quatro anos atrás. O que mudou foram os motivos para cair.

Se nos dois primeiros jogos na Copa da Rússia metade das quedas de Neymar não foram consideradas faltas pelos árbitros, desta vez em seis das nove vezes em que o atacante caiu o jogo foi interrompido. Em duas delas, sérvios ganharam cartões amarelos: na primeira falta, por volta dos 5 minutos do primeiro tempo e pouco depois dos 3 minutos da segunda etapa. O jogador brasileiro, assim, foi responsável por dois dos três cartões amarelos aplicados pela arbitragem, e por quase todas as sete faltas sofridas na seleção brasileira.

Foram cinco quedas no primeiro tempo e quatro no segundo — essa última média, prejudicada pela saída prematura de campo do camisa 10. Além de ocasionadas por faltas, Neymar caiu cinco vezes no campo do adversário, e mais vezes na primeira metade de cada tempo.

Na primeira entrada que sofreu, o craque foi ao chão de joelhos, na entrada dura do camisa 2 da Sérvia, Pavlovic.

Em apenas uma vez o jogador rolou pelo gramado, após a falta do camisa 1 sérvio, Lukic. Mas sem encenação: em 20 segundos, já estava de pé.