Após morte de Major Olimpio, Lira restringe presença física de deputados e servidores na Câmara

Bruno Góes
·1 minuto de leitura

No mesmo dia da morte do senador Major Olimpio (PSL-SP), acometido pela Covid-19, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), anunciou que irá impor restrições pelo período de duas semanas à circulação de pessoas na Casa.

Em comunicado, a assessoria de Lira afirmou que comissões e o plenário da Câmara funcionarão com o "mínimo necessário".

"O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, decidiu restringir, por duas semanas, a presença física dos parlamentares e funcionários no plenário, comissões e dependências da Casa. A Câmara funcionará com o mínimo de servidores necessário para o funcionamento virtual das sessões. A medida é necessária diante do agravamento da pandemia" registra a nota.

No Senado, já há restrições ao trabalho presencial de parlamentares. O governo do Distrito Federal também editou decreto que suspendeu o funcionamento de diversas atividades, além de instituir um toque de recolher a partir de 22h.

Em sessão desta quinta-feira, deputados interromperam os trabalhos para fazer um minuto de silêncio em homenagem a Major Olímpio.

O presidente do Senado e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), decretou luto oficial de 24 horas.