Após mortes e internações por covid-19 despencarem, Reino Unido avança em saída do lockdown

·4 minuto de leitura
Boris Johnson faz anúncio
Premiê disse que governo estuda certificado que atesta imunidade contra covid-19

O governo do Reino Unido anunciou na segunda-feira (5/4) que passará para a próxima etapa do relaxamento de medidas do lockdown, que está em vigor no país desde o início do ano.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, disse que essa decisão foi tomada com base nos dados que apontam que o esforço feito pelo povo britânico "está valendo a pena".

A segunda etapa do plano de abertura entrará em vigor em 12 de abril. Ela prevê:

- Reabertura de Lojas não essenciais e serviços de contato próximo, como cabeleireiros e barbeiros;

- Restaurantes e pubs podem começar a servir os clientes ao ar livre, sem a necessidade de que uma refeição substancial eja servida junto com bebida alcoólica e sem toque de recolher. As pessoas terão que comer e beber sentadas;

- Academias e spas podem reabrir, assim como zoológicos, parques temáticos, bibliotecas e centros comunitários;

- Membros da mesma família podem tirar férias na Inglaterra em acomodações independentes;

- Casamentos com presença de até 15 pessoas estão liberados;

- O número de visitantes em lares de idosos permitidos aumentará para dois por residente;

- Todas as crianças poderão participar de qualquer atividade infantil em ambientes fechados, incluindo esportes;

- Reuniões de grupos de pais e filhos de até 15 pessoas (sem contar crianças menores de 5 anos) dentro de casa.

As pessoas devem continuar a trabalhar em casa se puderem e minimizar os deslocamentos. As viagens de lazer para o exterior ainda não são permitidas.

As reuniões ao ar livre ainda devem ser limitadas a seis pessoas ou duas famílias e não se deve socializar em ambientes fechados com ninguém com quem não more junto ou não faça parte de seu grupo de apoio.

Boris Johnson pediu que a população se vacine e faça testes. "Um terço das pessoas não têm sintomas", lembrou o premiê britânico.

Ele também explicou que o governo está divulgando hoje suas "primeiras avaliações" sobre o retorno dos eventos e o potencial dos "certificados de status de covid" para confirmar se alguém tem imunidade ao vírus.

Mortes e hospitalizações despencam com lockdown e vacinação

De acordo com o médico-chefe do governo do Reino Unido, Chris Whitty, cerca de 31,6 milhões dos 66,8 milhões de habitantes já receberam a primeira dose da vacina contra covid-19, e 5,4 milhões também tomaram a segunda dose.

Whitty disse que as taxas de aplicação da vacina têm sido "incríveis" e que o Reino Unido caminha na direção certa.

O sucesso do programa de imunização era um dos quatro critérios do governo britânico para a progressão de fase da saída do lockdown, que começou em 29 de março, com o primeiro relaxamento de medidas.

Pessoas caminham na rua em Londres com roda-gigante ao fundo
Avanço da vacinação e isolamento reduziram drasticamente números da pandemia

O segundo critério são as evidências de que as vacinas são eficazes para reduzir hospitalizações e mortes.

Whitty explicou que, no Reino Unido, houve queda nos casos sintomáticos de cerca de 60% e de 80% em internações entre aqueles que foram imunizados em comparação com quem ainda não tomou a vacina.

O médico ressaltou que isso mostra que as vacinas são altamente eficazes, mas não completamente eficazes e que, por isso, as pessoas devem garantir que receberão a segunda dose.

"Isso reforçará e aumentará a duração dessa proteção", disse ele.

O terceiro critério usado pelo governo foram as taxas de infecção. Nos níveis atuais, elas não oferecem um risco de haver um aumento nas hospitalizações capaz de colocar o sistema de saúde sob uma pressão insustentável.

De acordo com Whitty, o número de pessoas hospitalizadas com covid-19 tem caído constantemente, assim como o número de óbitos.

A média móvel de mortes, referente aos sete dias imediatamente anteriores, é agora de cerca de 47 por dia, bem abaixo do pico de 1,3 mil no começo deste ano.

Por fim, o governo britânico avalia que as novas variantes do coronavírus não apresentam até agora características que aumentem os riscos associados à pandemia.

Governo estuda 'certificado de covid'

O governo britânico também atualizou sua posição sobre os "certificados de status de covid".

O governo avalia que esses certificados podem ter um papel importante a desempenhar nacional e internacionalmente, como uma medida temporária.

Mas ressaltou que nem todas as pessoas podem se vacinar (estes e outros casos poderiam receber isenções) e que os certificados devem poder ser obtidos por meio de exames.

O governo britânico também defendeu que há alguns ambientes, como serviços públicos essenciais, transporte público e lojas de produtos essenciais, onde o certificado nunca deve ser exigido, a fim de garantir o acesso de todos.

Fazer isso pode ser útil em lugares como teatros, boates e eventos de massa, para ajudar a gerenciar os riscos.

O governo disse que iniciará testes em alguns desses ambientes, mas explicou que ainda conversa com os diferentes setores da economia e que a certificação não fará parte da terceira etapa do plano.

A partir desta próxima fase, a maioria das restrições para reuniões em locais públicos devem ser suspensas.

Boris Johnson também disse esperar que também possa autorizar o retorno das viagens internacionais na terceira etapa, que está prevista para 17 de maio.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!