Após negociação com PM, acampamento de bolsonaristas radicais começa a se desmobilizar em São Paulo

Após negociação com policiais militares, apoiadores radicais do ex-presidente Jair Bolsonaro começaram a desmontar o acampamento instalado em frente ao Comando Militar do Sudeste.

Atos terroristas no DF: acompanhe a movimentação um dia após a invasão de bolsonaristas a Praça dos Três Poderes

Invasão dos Poderes: entenda o passo a passo que levou terroristas a destruir prédios do Congresso, Planalto e STF

Por volta de 12h30min, os bolsonaristas estavam desmontando barracas e recolhendo seus pertences e lixos para abandonar o local. Um apoiador de Bolsonaro contou que houve uma conversa pacífica com PMs e que a decisão de deixar o ato ocorreu por "questões de segurança e para evitar uma confusão maior".

Alguns apoiadores assistiam incrédulos ao desmonte do acampamento. "Cadê as Forças Armadas?", questionou uma senhora, já do lado de fora da concentração. No interior do acampamento, cenas de choro se repetiam.

"É conformar que o país foi entregue", disse uma bolsonarista, questionando o resultado das urnas.

Ao longo da desmobilização, aviões caça sobrevoavam a região. Havia, ainda, um caminhão do Corpo de Bombeiros e viaturas da polícia militar.

O fim do acampamento foi marcado por ataques à imprensa, que acompanhava de fora a desmobilização. "Urubuzada", "bando de comunistas carniceiros", gritou uma senhora.