Após negociação na TV, acaba a greve dos trens em SP

·2 minuto de leitura
SÃO PAULO, SP, 24.08.2021 - FERROVIÁRIOS-GREVE: Movimentação de passageiros pelo terminal Guaianases; zona leste de São Paulo; ferroviários das linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade da CPTM realizam uma greve pedindo a reposição salarial. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 24.08.2021 - FERROVIÁRIOS-GREVE: Movimentação de passageiros pelo terminal Guaianases; zona leste de São Paulo; ferroviários das linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade da CPTM realizam uma greve pedindo a reposição salarial. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A greve dos ferroviários, que paralisou as linhas 11-coral, 12-safira e 13-jade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), durante esta terça-feira (24), teve um fim. A STM (Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo) e o Sindicato dos Trabalhadores das Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil entraram em um acordo no final da tarde desta terça e os trens voltaram a circular.

Em negociação ao vivo mediada pelo jornalista José Luiz Datena, no programa Brasil Urgente, da Band, o secretário da pasta estadual, Alexandre Baldy, acordou com o secretário-geral do sindicato, Múcio Alexandre Bracarense, em diminuir o número de parcelas e antecipar o pagamento de valores retroativos, além de rever a demissão de dez funcionários por causa da greve.

Na proposta anterior, o governo iria pagar o retroativo em 10 parcelas a partir de fevereiro de 2022. Agora, no novo acordo, serão cinco parcelas pagas entre outubro e dezembro deste ano, e fevereiro e março do ano que vem.

Os trabalhadores reivindicavam reposição salarial referente à data-base de 1º de março dos exercícios 2020/2021 e 2021/2022.

Durante a terça, a linha 11-coral ainda teve operação parcial no trecho entre as estações Guaianases e Luz, enquanto as linhas 12-safira e 13-jade foram completamente paralisadas. A determinação era de que os trabalhadores tivessem mantido 70% do efetivo nos horários de pico --das 5h às 9h e das 17h às 20h-- e 50% nos demais horários.

Por conta disso, o sistema Paese (Plano de Apoio entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência) EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo) e SPTrans, empresa que controla o transporte rodoviário na cidade de São Paulo, foram acionados para transportar os passageiros.

Problemas no transporte A paralisação de ferroviários nesta terça-feira (24) em São Paulo afetou cerca de 940 mil passageiros, de acordo com a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Segundo a empresa, da gestão João Doria (PSDB), em média, 653 mil usuários passam diariamente pelos trens da linha 11-coral, uma das três atingidas pela greve. Outras 271 mil pessoas usam a linha-12 safira e 14 mil, a 13-jade.

Para tentar controlar um possível trânsito na cidade de São Paulo, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) suspendeu o rodízio de veículos ao longo de todo o dia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos