Após nomear um homem para Secretaria da Mulher, Ratinho Júnior volta atrás e anuncia deputada federal para pasta

Após virar polêmica ao nomear um homem branco como secretário da Mulher e da Igualdade Racial, o governador do Paraná Ratinho Júnior (PSD) voltou atrás e anunciou, nesta segunda-feira, que a deputada federal Leandre Dal Ponte (PSD) assumirá o comando da pasta. Anteriormente, na quinta-feira, o chefe do Executivo estadual havia publicado, no Diário Oficial, o nome do atual secretário de Desenvolvimento Social e Família, Rogério Carboni, como interino a assumir o cargo.

Atos golspitas: Ex-marido petista aciona Justiça contra ex-primeira dama da Paraíba por levar filho

Bombeiro preso no RJ: acusado de financiar atos terroristas em Brasília foi candidato a deputado federal em 2018

Na ocasião, a assessoria do governo garantiu que seria uma medida temporária, mas não havia esclarecido quando uma mulher seria nomeada enquanto secretária.

Outros três homens também foram anunciados para cargos de chefia na pasta. Até a nomeação de Leandre, apenas uma mulher havia sido indicada. O cargo de diretor, que fica logo abaixo da posição ocupada pela deputada federal, é ocupado por um representante masculino. A secretaria foi criada para o segundo mandato de Ratinho Junior, desmembrada da Secretaria de Justiça, Família e Trabalho.

Polêmicas na secretária

Além de Carboni, Ratinho Junior anunciou o ex-deputado estadual Fernando Francischini (União Brasil) como um dos chefes da coordenação da secretaria. Esta nomeação também foi alvo de polêmicas pelo histórico do ex-parlamentar, condenado e cassado há dois anos por propagar fake news.

Saiba quem é Fernando Francischini: o primeiro deputado cassado por fake news

Em 2018, ele foi eleito para a Assembleia Legislativa do Paraná (ALPR) com número recorde de votos. No entanto, durante o processo eleitoral, o deputado fez uma live em que colocava em xeque às urnas eletrônicas e o sistema eletrônico de votação, o que ocasionou a cassação.

Como noticiado pelo GLOBO, em comparação com a última gestão, os estados nomearam mais mulheres no primeiro escalão. No entanto, o Paraná é um dos estados com menor representatividade: apenas três mulheres estão em cargos de chefia. Além de Leandre, Luciana Casagrande Pereira ocupa a pasta de Cultura e Letícia Ferreira da Silva, a Procuradoria-Geral do Estado. Em linhas gerais, são 24 órgãos com status de secretaria.