Após nova suspensão de deputados, Joice derruba Eduardo e vira líder do PSL mais uma vez

***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 04.12.2019 - A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) durante depoimento em sessão da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das Fake News, fala sobre os ataques virtuais que sofreu ao deixar a liderança do governo. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após a Câmara dos Deputados efetivar, na noite de terça (3), a suspensão da atividade partidária de 12 deputados do PSL ligados a Jair Bolsonaro, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) conseguiu apoios suficientes e tornou-se a nova líder da bancada na Casa.

Ela teve 21 assinaturas endossando seu nome e derrubou o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), do posto. 

Este é mais um capitulo da briga pelo comando do partido na Câmara que se arrasta desde outubro do ano passado. 

As punições foram publicadas no Diário Oficial da Câmara na terça. A decisão reduziu a bancada do PSL de 53 integrantes ativos para 40.

Por isso, com 21 adesões, ou seja, metade da bancada mais um, Joice conseguiu a maioria. 

Desde a terça-feira à noite, aliados do presidente da sigla, Luciano Bivar (PE), tentam emplacar a deputada no lugar de Eduardo. 

Na tarde desta quarta (4), eles apresentaram uma lista para fazer de Joice a líder da legenda na Casa.

O número de assinaturas apresentados, no entanto, foi insuficiente. Inicialmente, 23 deputados endossaram o nome de Joice, porém três assinaturas foram recusadas.

Os parlamentares que foram suspensos já adiantaram que vão recorrer à Justiça para barrar a sanção. 

A publicação das punições pela Câmara sacramenta a decisão da executiva do PSL tomada há cerca de um mês, como mostrou a Folha de S.Paulo. 

Na ocasião, a direção do partido determinou a suspensão de 17 parlamentares.

A decisão foi referendada pelo diretório nacional do partido no dia 11 de fevereiro, mas somente nesta semana eles pediram à Câmara que notificasse os parlamentares.

Dos 17 deputados alvo de punições pelo partido, cinco conseguiram na Justiça decisões para barrar a aplicação das sanções. Entre os que não foram punidos, está o líder do PSL, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

A briga no PSL se arrasta desde outubro do ano passado. Em 2019, 14 deputados já haviam sido suspensos em razão da briga pela liderança, mas reverteram as decisões na Justiça.

Um dos objetivos da ala ligada a Bivar  já em 2019 era conseguir a maioria dos 53 deputados para emplacar Joice na liderança da bancada no lugar de Eduardo. 

A deputada chegou a ser nomeada líder do PSL.

Na ocasião, os parlamentares punidos, porém, conseguiram reverter as sanções na Justiça e Eduardo retomou o posto.