Após novos relatos de coágulos, Alemanha vai debater uso de vacina da AstraZeneca

O Globo
·2 minuto de leitura

BERLIM — Líderes alemães vão rever o uso da vacina contra Covid-19 da AstraZeneca nesta terça-feira. A análise foi provocada pela decisão de estados de parar de usar o imunizante em pessoas com menos de 60 anos após relatos de coágulos sanguíneos conhecidos como trombose venosa do seio cerebral (CSVT).

O ministro da Saúde, Jens Spahn, vai se encontrar com seus colegas regionais para debater o assunto. A reunião segue relatórios do regulador de vacinas da Alemanha, o Instituto Paul Ehrlich (PEI), de casos de CSVT.

O comitê de vacinas da Alemanha, conhecido como STIKO, recomendará o uso da vacina produzida pela farmacêutica anglo-sueca apenas em pessoas com mais de 60 anos, informou o jornal Augsburger Allgemeine.

O Instituto disse que registrou 31 casos de CSVT, que resultaram em nove mortes, de cerca de 2,7 milhões de pessoas que receberam a vacina AstraZeneca. Com exceção de dois casos, todas as notificações envolveram mulheres com idade entre 20 e 63 anos.

A discussão na Alemanha acontece dias após a suspensão do uso da vacina, e posterior retomada, por 13 países da União Europeia também por preocupações ligadas a coágulos sanguíneos. No dia 18 de março, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) declarou, após investigação, que o imunizante é "seguro e eficaz" e não está associado a um maior risco de trombose ou de embolia.

O anúncio da EMA aconteceu após a Organização Mundial da Saúde e o órgão de vigilância sanitária do Reino Unido informarem que a vacina é segura e que os riscos de não tomá-la superavam em muitas vezes as remotas chances de complicações.

— O comitê chegou a uma conclusão científica clara: esta é uma vacina segura e eficaz — disse a chefe da EMA, Emer Cooke, após uma investigação do comitê de segurança do órgão. — O comitê também concluiu que a vacina não está associada a um aumento no risco geral de eventos tromboembólicos ou coágulos sanguíneos.