Após ofensiva de ACM Neto, cresce pressão para que Marcos Pereira assuma Ministério da Cidadania

FÁBIO ZANINI
·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: O presidente do partido DEM, ACM Neto. (Foto: Patrícia Stavis/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: O presidente do partido DEM, ACM Neto. (Foto: Patrícia Stavis/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após ofensiva do presidente do DEM, ACM Neto, contra a indicação do deputado João Roma (Republicanos-BA) ao Ministério da Cidadania, a nomeação, que chegou a ter o aval de Jair Bolsonaro (sem partido), está em aberto.

O acerto com o Palácio do Planalto prevê que a vaga, hoje ocupada por Onyx Lorenzoni (DEM-RS), será do Republicanos. Integrantes do partido chegaram a sugerir ao presidente o nome de Marcos Jorge​, que foi secretário executivo do Ministério da Indústria no governo Michel Temer e assumiu a pasta por um ano. Ele, porém, enfrenta resistências no governo.

Diante do imbróglio, o presidente do Republicanos, Marcos Pereira, passou a estudar a possibilidade de colocar o próprio nome à disposição. Aliados do deputado avaliam que a nomeação dele pacificaria a situação. Antes, Pereira rechaçava a ideia de assumir um ministério. O martelo será batido após o Carnaval, quando Onyx migrará para a Secretaria-Geral da Presidência.

Aliados de Roma não descartam ainda que ele possa efetivado, mas reconhecem que as chances diminuíram.

Nesta quarta (10), Neto conversou com o próprio Pereira sobre o assunto e avisou a integrantes do Palácio do Planalto que ficaria contrariado com caso o parlamentar fosse efetivado.

Roma é amigo do ex-prefeito de Salvador e trabalhou no gabinete quando ele comandou a cidade. O argumento de Neto é que a nomeação de um dos seus braços direitos o vincularia diretamente ao governo federal, o que ele quer evitar.

A resistência dele, porém, gerou um problema para o governo e o partido. Bolsonaro chancelou o nome de Roma e disse a aliados que o deputado teve aprovação unânime de seus auxiliares.

Antes do parlamentar, outro deputado da Bahia havia sido sugerido para o cargo: Márcio Marinho (BA). Houve, porém, avaliação de integrantes da bancada do Republicanos de que faltava experiência ao parlamentar.

Além disso, deputados ligados à Universal não gostaram da ideia de que um bispo da igreja assumisse o Ministério pelo receio de ressuscitar polêmicas envolvendo outro integrante da corrente evangélica.