Após ofensiva de Doria, aliados de presidente do PSDB dizem que ele recebeu apoio da maioria do partido

FÁBIO ZANINI
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 31.05.2019  - Convenção da executiva do PSDB, em Brasília (DF). PSDB elegeu o ex-deputado federal e ex-ministro Bruno Araújo (PE). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 31.05.2019 - Convenção da executiva do PSDB, em Brasília (DF). PSDB elegeu o ex-deputado federal e ex-ministro Bruno Araújo (PE). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após encontro promovido por João Doria no qual foi discutida a possibilidade de o governador de São Paulo tentar assumir a presidência do PSDB em maio, o atual ocupante do cargo, Bruno Araújo, passou a receber mensagens e ligações de solidariedade de correligionários.

Segundo aliados do presidente do PSDB, ele recebeu apoio de todos os diretórios estaduais do partido após o encontro, exceção feita ao de São Paulo, dirigido por Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional da gestão Doria.

Ainda de acordo com parlamentares próximos a Araújo, ele também recebeu o contato da maior parte dos deputados e senadores tucanos do Congresso.

O mandato de Araújo acaba em maio e ele pretende ser reconduzido ao cargo.

No encontro com Doria, do qual Araújo participou, o líder do PSDB na Câmara, Rodrigo de Castro, afirmou que o governador de São Paulo não tem apoio de nenhum parlamentar fora do Sudeste e que a maioria da bancada vai apresentar proposta para que Araújo continue no cargo e para que Eduardo Leite seja o candidato tucano à Presidência da República em 2022.

Doria cogita assumir o comando do PSDB justamente para encabeçar o processo de definição da candidatura presidencial tucana para 2022, quando deseja ser o representante de seu partido.