Após operação da polícia, ao menos 7 corpos são encontrados em São Gonçalo (RJ)

·3 min de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Ao menos sete corpos foram encontrados em uma região de manguezal no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. Na manhã desta segunda-feira (22), os moradores retiravam os mortos do local e cobriam os corpos com lençóis brancos.

Desde sábado (20), o clima na comunidade é de tensão após o policial militar Leandro da Silva ter sido morto a tiros durante um patrulhamento.

No domingo (21), o Bope (Batalhão de Operações Especiais da PM do Rio) realizou uma outra operação na comunidade após receber informações de que uma das pessoas que atacaram os agentes no sábado estaria ferida na região.

Durante a ação, uma idosa foi baleada e encaminhada para o hospital estadual Alberto Torres, em São Gonçalo. Segundo o Instituo Fogo Cruzado, neste ano, 25 idosos já foram baleados na região metropolitana no Rio e 9 deles morreram.

A polícia diz ainda que neste domingo os agentes foram atacados em uma área de mangue, na qual ocorreu troca de tiros com os suspeitos. Os policiais apreenderam munições de fuzil, cinco carregadores e uniformes camuflados. Os corpos foram encontrados perto da área em que houve o confronto.

Segundo o portal G1, moradores relataram que os corpos encontrados têm marcas de tortura e que as mães das vítimas entraram no mangue para retirar os corpos dos filhos.

Procurada, a PM disse que não teve acesso aos corpos e não comentou sobre os relatos.

Defensoria Pública do Rio diz que recebeu relatos sobre a operação no domingo e que comunicou o caso ao Ministério Público para a adoção de "medidas cabíveis a fim de interromper as violações". O órgão diz que representantes da ouvidoria vão à comunidade para coletar informações que possam embasar medidas, inclusive judiciais.

Em nota, o MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro) afirmou que o caso está sendo analisado pela 2ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada do Núcleo Niterói e São Gonçalo, que acompanha as diligências no local e tomará as medidas cabíveis. Ainda segundo a nota, a polícia militar comunicou a operação ao MP-RJ.

Em agosto do ano passado, o Supremo proibiu operações em favelas do Rio enquanto durasse a pandemia. Caso a polícia precise fazer operações, é necessário avisar ao Ministério Público com antecedência

Em maio, uma operação da Polícia Civil na favela do Jacarezinho, na zona norte, terminou com 28 pessoas mortas, sendo considerada a mais letal da história do Rio. Presos durante a ação relataram terem sofrido tortura. Já os boletins médicos dos mortos descrevem corpos com as vísceras para fora ou com "faces dilaceradas".

A polícia afirmou inicialmente que a investigação que motivou a incursão tratava de aliciamento de menores, homicídios, sequestros de trem e roubo. Em um relatório feito após a ação, porém, não constam esses crimes, mas o cumprimento de 21 mandados de prisão por associação ao tráfico de drogas.

Em outubro, o Ministério Público do Rio denunciou dois policiais civis por envolvimento em um homicídio durante a operação na favela do Jacarezinho. Trata-se da primeira denúncia oferecida pela força-tarefa montada pelo MP-RJ para investigar a ação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos