Após participar de show dirigido por Milton Cunha na China, atriz de Irajá estreia na Globo

Sonhar com os pés no chão foi o que a atriz Ramille Xavier aprendeu a fazer desde cedo, em Irajá, onde nasceu, foi criada e tem orgulho de morar. Na infância, a vocação para brilhar, que parece estar registrada no DNA, se manifestava diante de qualquer oportunidade, do tamanho que fosse. Nas festas infantis, a intérprete da Melissa da série “Encantados” — disponível no Globoplay e que estará em breve na programação da TV Globo – chamava atenção ao cantar e dançar com desenvoltura. Nos eventos dos tempos de escola, já era assim. A então menina também roubava a cena quando subia ao palco do auditório do Colégio Sampaio, em Irajá. O samba foi outra paixão irresistível surgida quando ainda era uma criança. Por um período, disse no pé como passista mirim da Aprendizes do Salgueiro. Em outro, esteve na comissão de frente da versão para os pequenos da vermelho e branca tijucana.

Cultura: Acervo no Jardim Botânico guarda preciosidades

Saúde: Exames a preços populares no Sesc Ramos

Estes indícios da pré-disposição para as artes só reforçaram a certeza interior de que havia nascido para ser artista. Mas era preciso ter um plano B; afinal, não vinha de uma família de artistas e não demorou a saber da dificuldade que é viver de uma carreira instável, cheia de altos e baixos. Não à toa, a ex-participante do reality show “Got talent Brasil”, exibido na Record, se formou em Publicidade e Propaganda.

Os ensinamentos do curso universitário, concluído após retornar de uma temporada na China, no segundo semestre de 2019, não foram em vão. São aliados para a construção da sua identidade profissional. Se depender desta artista suburbana, que ama a sua origem, a estreia na TV, em uma produção ambientada no bairro de Encantado e que tem o carnaval como pano de fundo, é só o primeiro capítulo da sua novela particular. Que venham, a seguir, os próximos capítulos!

— Eu sempre fui uma menina sonhadora, extrovertida, que adorava aparecer. Quando criança, eu cantava e dançava, mas ainda não havia descoberto a atuação. Na adolescência, assistindo a novelas, me apaixonei pela arte de interpretar. Aos 15 anos, participei do “Got talent Brasil” e, após esta experiência na parte musical, entrei para o Tablado (tradicional curso de teatro na Zona Sul) para me preparar para uma carreira de atriz. No meio de tudo isso, tinha o samba, o carnaval. Parei de desfilar há alguns anos, porque é preciso ter tempo para se dedicar e estar numa ala de passistas. Mas foi o samba que, de certa forma, me levou para a China. Foi meu principal trabalho antes de ser escalada para “Encantados”, que é a realização de um sonho de menina — torce a artista, de 24 anos.

O convite para ser uma das estrelas das apresentações do show “Ginga tropical”, na China, foi feito pelo carnavalesco Milton Cunha, com quem Ramille havia trabalhado no reality show.

— Este espetáculo dirigido pelo Milton Cunha tem sessões aqui no Brasil para uma plateia de turistas e também faz temporadas fora do país. É um musical bem brasileiro, que, claro, tem muito samba. Em 2019, ele me chamou para integrar o elenco e eu aceitei. De repente, fui parar na China. Foi uma deliciosa loucura. A comida foi o meu maior desafio lá. Passei muito perrengue porque sou chata para comer; então me alimentava mal. Só comia besteiras e engordei seis quilos. Voltei com o colesterol alto. O idioma foi outra dificuldade, porque poucas pessoas falam inglês. Mas deu tudo certo e foi uma experiência enriquecedora como mulher e profissional. Ganhei um dinheiro bom também. Em dezembro de 2019, optei por não renovar por mais três meses e voltei para o Brasil. Foi a minha sorte. Porque com a chegada da Covid-19, muitos brasileiros passaram por transtornos para voltar — lembra.

A volta para casa revelou uma Ramille ainda mais motivada para realizar seus sonhos. Ela destrancou a matrícula da faculdade e fez um curso de atuação para TV. As aulas on-line — por que a esta altura a pandemia já estava por aqui também —, se tornaram as maiores companheiras da artista no período de distanciamento social.

— Assim que houve uma oportunidade, fiz um teste para “Malhação”. Mas cancelaram a produção e eu vi o meu sonho ser adiado. Depois, fiz um teste para uma novela das 21h, mas minha personagem caiu, não existiria mais. Por incrível que pareça, não fiquei abalada. Eu tinha certeza de que, se eu continuasse focada, em algum momento ia conseguir um trabalho na TV. De repente, recebi uma ligação do produtor de elenco de “Encantados”. Fiz dois testes e passei. Estou muito feliz de estar na TV e em uma produção que joga luz sobre o samba e o orgulho suburbano. Eu amo Irajá; nunca tive vergonha de morar no subúrbio – ressalta.

Para 2023, a atriz tem um pedido:

— Quero trabalhar muito. Não vejo a hora de começar a gravar a segunda temporada de “Encantados” e de fazer uma novela.