Após pedidos nas redes sociais, novela 'A favorita' será reprisada no streaming

Leonardo Bruno, especial para O GLOBO

RIO — Não tem jeito: a vida como a gente conhecia deu uma pausa. De olho nesta realidade, o Globoplay abriu seu baú e vai colocar no catálogo novelas que marcaram época na TV Globo. Elas agora poderão ser maratonadas no tempo desejado pelos assinantes do streaming. A primeira, que entra no ar nesta segunda-feira, é “A favorita”, exibida no horário das 21h entre 2008 e 2009. A trama escrita por João Emanuel Carneiro, com direção geral de Ricardo Waddington, era uma das mais pedidas pelo público nas redes sociais e nunca foi reprisada na TV.

Duas espectadoras já estão preparando a pipoca para rever a novela: Patrícia Pillar e Claudia Raia, as atrizes que deram vida às protagonistas Flora e Donatela, que cresceram como irmãs e formaram na infância uma dupla sertaneja. Na época em que a novela foi exibida, elas estavam num ritmo intenso de gravações e não puderam acompanhar o trabalho com tranquilidade. Agora, estão ansiosas para rever a história que confundiu o público ao manter por mais de 50 capítulos o suspense sobre quem era “a mocinha” e quem era “a vilã”.

Para Patrícia, será a chance de conferir uma personagem que marcou a teledramaturgia, já que Flora é sempre apontada como uma das maiores malvadas da história do gênero.

— Flora era perversa, tripudiava ao fazer suas maldades, mas ao mesmo tempo tinha uma leveza, se divertia em situações absolutamente terríveis. Essa mistura do perverso com o divertido rendeu, tanto que a abordagem das pessoas nas ruas era com risadas, nunca com agressividade — recorda Patrícia.

Sempre transitando com facilidade entre o humor e o drama (além das premiadas incursões pelos musicais), Claudia Raia teve em Donatela um dos grandes papéis dramáticos de sua carreira.

— “A favorita” é atemporal, porque fala da condição humana, algo que não envelhece — relembra Claudia. — Foi uma novela difícil de fazer, porque era completamente apoiada nestas duas personagens, não tinha respiro, foi uma guerra do início ao fim. E o restante do elenco era maravilhoso.

Para o espectador, vai ser uma novidade acompanhar a trama já conhecendo o grande segredo sobre quem é a vilã. Mas Patrícia Pillar acredita que esse será um dos trunfos da reexibição da novela.

— Vai ser interessante ver os capítulos sabendo a verdade, assistindo com outros olhos. Agora vamos perceber o desespero real da Donatela quando ninguém acredita nela, e notar que Flora esteve atuando o tempo todo. É outra camada para o público. E também não podemos esquecer que tem uma nova geração, que não sabe de nada disso e vai ver uma trama inédita — lembra a atriz, que neste isolamento já leu o último romance de Chico Buarque, “Essa gente” (2019), e está fazendo um curso sobre Clarice Lispector.

Claudia Raia também tem aproveitado para colocar as leituras em dia, mas passou por um susto no início da pandemia: foi infectada pelo novo coronavírus, assim como seu marido, o ator e bailarino Jarbas Homem de Mello. Eles não sofreram com os sintomas e já estão livres da doença. Agora, o foco da atriz são dois projetos que festejam suas mais de três décadas de carreira:

— Estou com uma fotobiografia pronta e estou fazendo minha biografia, com a jornalista Rosana Hermann, que eu espero lançar este ano ainda. Está sendo bom rever tantos momentos destes meus 36 anos de TV Globo. E “A favorita” foi um deles, já que me deu um upgrade como atriz.

Outras reprises programadas

Depois de “A favorita”, outras novelas clássicas chegarão ao Globoplay, a cada duas semanas: as próximas a entrar no menu serão “Tieta” (1989), “Explode, coração” (1995), “Estrela-guia” (2001), “Vale tudo” (1989) e “Laços de família” (2000).

E novos títulos da TV Globo estão sendo preparados para entrar no catálogo futuramente, como “Dancin’ days” (1978), “Baila comigo” (1981), “Vereda tropical” (1984), “Bebê a bordo” (1988), “Vamp” (1991) e “Terra nostra” (2000), se juntando às 91 novelas já disponíveis para os assinantes. Para os não-assinantes, o Globoplay vai abrir, também a partir de segunda-feira, os primeiros capítulos de todas as tramas do catálogo.