Após PSB cortar dinheiro de Molon, PT adia decisão sobre aliança no Rio

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Diante da decisão do PSB de não fazer repasses do fundo eleitoral para Alessandro Molon caso ele decida levar adiante a sua candidatura ao Senado, a executiva nacional do PT optou por adiar para sexta-feira a definição sobre a manutenção ou não da aliança em torno de Marcelo Freixo na eleição para o governo do Rio.

Lideranças do PSB relatam que a saída de Molon da disputa deve ser sacramentada na tarde desta quinta-feira. Sem recursos, a sua candidatura fica asfixiada. O PT exige que o único candidato ao Senado na chapa de Freixo seja o presidente da Assembleia Legislativa (Alerj), André Ceciliano.

Na noite de quarta-feira, a executiva do PSB decidiu, em reunião, que Molon ficará sem recursos do fundo eleitoral para a sua candidatura. Caberá ao ex-governador Márcio França, tesoureiro do partido, comunicar a decisão.

A pressão da cúpula do PSB para a retirada de Molon é resultado de atuação direta do ex-presidente Lula. Em sua passagem por Pernambuco há duas semanas, o candidato do PT a presidente convenceu lideranças do PSB do estado a trabalharem pela saída do deputado da disputa no Rio.

O diretório pernambucano é o mais influente no comando nacional do partido. Com dificuldade nas pesquisas, o candidato do PSB ao governo de Pernambuco, Danilo Cabral, depende do engajamento de Lula em sua campanha para ter chance de manter o domínio do partido no estado, que já dura 16 anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos