Após reabertura de investigação, Maia diz que Aras é uma pessoa muito correta

Paula Ferreira
·3 minuto de leitura
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia

Após se tornar alvo da reabertura de investigação sobre supostos pagamentos da empreiteira OAS pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), classificou o procurador como uma "pessoa muito correta" durante live organizada pelo Jornal "Valor Econômico" na manhã desta segunda-feira e disse acreditar que a investigação será rearquivada tão logo seja reavaliada.

— O procurador tem sido uma pessoa muito correta e espero que assim ele mantenha o trabalho dele, que não pareça que neste caso ou qualquer outro caso possa ter uma interferência dele por pressão de algum outro poder em relação a qualquer assunto que seja a sucessão, ou qualquer assunto de interesse do Poder Executivo — afirmou Maia.

O presidente da Câmara rechaçou a hipótese de a reabertura da investigação pela Procuradoria Geral da República se tratar de um movimento de cunho político. No último sábado, o GLOBO revelou que a PGR decidiu unificar e reabrir duas investigações sobre supostos pagamentos da empreiteira OAS a Maia. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin autorizou a solicitação e, em despacho de quinta-feira, determinou o envio dos autos à Polícia Federal para a reabertura das investigações contra o presidente da Câmara. O caso tramita sob sigilo.

— É importante que a PGR mantenha a sua autonomia e as condições de realizar seu trabalho. Não tenho nenhum motivo até este momento para acreditar nisso (movimento de cunho político). Isso seria muito grave, muito ruim, e acredito nas instituições democráticas e no Judiciário — disse Maia.

O presidente da Câmara afirmou ainda esperar que o inquérito seja arquivado em um curto prazo de tempo.

— Tenho certeza que esse inquérito aberto quase um ano e meio depois voltará a ser arquivado no prazo mínimo necessário para sua reavaliação.

Dois inquéritos no STF apuraram suspeitas de repasses da OAS a Rodrigo Maia. Um deles se baseia em trocas de mensagens entre o parlamentar e o ex-presidente da empreiteira, Léo Pinheiro. A Polícia Federal concluiu essa investigação em 2017 e apontou a existência de indícios do crime de corrupção passiva envolvendo Maia, acusando-o de beneficiar a OAS em uma medida provisória em troca do recebimento de doações eleitorais.

Na época, a equipe da então procuradora-geral da República Raquel Dodge deixou pronta uma minuta de denúncia a ser apresentada ao Supremo contra ele, mas Dodge deixou o caso parado para uma decisão de seu sucessor.

Augusto Aras, que assumiu em setembro do ano passado, não decidiu se protocolaria essa denúncia no STF e pediu à sua equipe a realização de um pente-fino nas provas do caso. Agora, Aras entendeu que seria necessário reabrir e aprofundar as investigações.

Um segundo inquérito, sobre supostos repasses de caixa dois da OAS a Maia, com base na delação premiada de funcionários do setor de contabilidade paralela da empreiteira, foi arquivado por Dodge pouco antes de ela deixar o comando da PGR. No início deste ano, a PF enviou um ofício a Fachin afirmando ter encontrado novos indícios sobre o caso, com base nas planilhas da OAS, e sugeriu sua reabertura.