Após saída de Moro do governo, base bolsonarista se reorganiza nas redes

Sérgio Roxo
Bolsonaro e Moro em cerimônia no Palácio do Planalto Marenco

SÃO PAULO — Após um abalo inicial verificado logo após a notícia da saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública, a base de apoio bolsonarista nas redes sociais voltou a se reagrupar na última semana e mostrou um patamar de atuação semelhante ao verificado antes da crise provocada pelo baixa do ministro mais popular do governo federal. A constatação foi a mesma em diferentes levantamentos feitos por empresas de consultoria e professores universitários especializados em analisar o debate político na internet.

Coordenador do Laboratório de Estudos e Imagem de Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Fábio Malini identificou que a base de Bolsonaro no Twitter hoje é maior do que na época que tiveram início os panelaços contra o presidente, em 17 de março. As mensagens de apoio representaram nesta semana 25% do total de citações, contra 18% em março.

Malini contabilizou 2,7 milhões de postagens entre domingo e quarta-feira que citavam o presidente de forma positiva, negativa ou neutra com as expressões “Bolsonaro”, “Jair Bolsonaro”, “E daí?”, “bonoro” e biroliro”.

Para o professor, houve articulação clara para defender o presidente no embate com Moro, que chegou a ser mencionado 382 mil vezes, e para debelar a construção de um discurso pelo impeachment, mencionado 143 mil vezes.

(LEIA A ÍNTEGRA DA REPORTAGEM EXCLUSIVA PARA ASSINANTES)