Após se recusar a sediar torneio, Argentina confirma participação na Copa América

·1 minuto de leitura

Em meio à problemática realização da Copa América em solo brasileiro, a Associação de Futebol Argentino (AFA) confirmou presença na competição.

Apesar disso, quando discutida a possiblidade de sediar o torneio, a Argentina foi o primeiro país a se recusar e, em seguida, a Colômbia também se negou.

“A Seleção Argentina confirma sua participação na Copa América 2021, tal como reflete seu espírito esportivo ao largo de sua história. Com um esforço enorme da Associação de Futebol Argentino (AFA), que usou de todas ferramentas necessárias para poder garantir cada um dos cuidados específicos solicitados neste difícil momento que atravessamos. Todo o staff da seleção albiceleste trabalhará unido para se sobrepor diante desta adversidade que, lamentavelmente, afeta todos sul-americanos de maneira igual”, declarou a AFA, por meio de uma nota.

Na noite do último sábado, o relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), enviou uma nota aos jogadores e à comissão técnica da seleção brasileira, afirmando que, “na iminência de uma terceira onda da pandemia”, a Copa América não é “segura para o povo brasileiro”.

A nota “Por que a Copa América no Brasil é um mau exemplo” foi publicada no Twitter do senador. Segundo ele, é uma reflexão sugerida pela equipe técnica do colegiado.

"A seleção é motivo de orgulho. Disputar a Copa pode até gerar troféu. Não disputar, em nome de vidas, significará sua maior conquista. Impossibilitado de apelar ao bom senso do presidente da República e da CBF, enviei nota aos atletas e à Comissão Técnica", escreveu Renan no post

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos