Após ser expulso da Austrália, americano que 'ensina a pegar mulher' quer vir ao Brasil

Reprodução



Sexista e racista, Julien Blanc foi expulso da Austrália junto de seu curso de "como pegar mulher". Sem poder ministrar suas "aulas" na Oceania, ele agora mira a América do Sul e o Brasil. E tal qual em solo australiano, ativistas começam a se mover para impedir que ele ensine suas práticas, como "aulas de como empurrar a cabeça de uma mulher para o seu pênis".

"Julien Blanc e seu grupo são sexistas e racistas que ganham a vida ensinando homens como violar mulheres por meio do abuso físico e emocional", escreveu a ativista australiana Jennifer Li. Ela foi responsável por criar a petição assinada por mais de 41 mil pessoas e que culminou com a expulsão de Blanc da Austrália.

No vídeo abaixo é possível ver parte de sua palestra na Ásia. Ele afirma que "um homem branco pode fazer o que quiser". Mais tarde, ensina a "técnica" para colocar a cabeça de uma mulher em seu pênis no meio da rua.

"Faça traquinagens pelas ruas agarrando as garotas. Cabeça no pênis. Cabeça. No pênis. Todo estrangeiro branco faz isso", afirma Blanc em um de seus cursos, misturando ao mesmo tempo comentários racistas e sexistas.

De acordo com sua agenda oficial, as visitas aconteceriam em Porto Alegre e Rio de Janeiro, nas última semanas de janeiro de 2015. Na Austrália, o norte-americano conseguiu ministrar apenas uma das três palestras agendadas antes de ser expulso.

No Brasil, ativistas também fizeram uma petição contra a vinda de Blanc que pode ser assinada aqui.