Após superar Brasil, Argentina pode igualar recorde mundial de invencibilidade na estreia pela Copa do Mundo

Os holofotes do dia 3 da Copa do Mundo do Catar estarão voltados para Lionel Messi. Mas a Argentina também está pronta para o Mundial e próxima de um recorde histórico. Na estreia diante da Arábia Saudita, às 7h (de Brasília), no Estádio Lusail, os hermanos entram em campo a um passo de igualar a maior invencibilidade entre seleções da História do futebol mundial.

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

Simulador: você decide quem será campeão da Copa do Catar

A Argentina já é dona da segunda melhor marca entre seleções, tendo superado os 35 jogos sem perder da seleção brasileira (entre 1993 e 1996) e da Espanha (entre 2007 e 2009). Assim, basta um empate diante da Arábia Saudita, nesta terça-feira, para assumir o recorde ao lado da Itália, que também teria 37 jogos.

A Argentina não perde uma partida desde a final da Copa América de 2019. Anteriormente, a maior série invicta da Argentina era de 31 jogos, que começou em 19 de fevereiro de 1991, na vitória por 2 a 0 na Hungria, e terminou em 8 de agosto de 1993, na derrota por 2 a 1 para a Colômbia, em Barranquilla.

Você escala: quais os seus 11 titulares do Brasil na Copa do Mundo

Guia interativo: saiba tudo sobre os 831 jogadores que disputam o Mundial

A invencibilidade atual da seleção argentina conta com 36 jogos, sendo 25 vitórias e 11 empates em jogos válidos por Eliminatórias Sul-Americanas, Copa América, Finalíssima e amistosos. A série atual começou em 2019 e está em vigor até então.

A líder do ranking é a Itália, que ficou 37 jogos sem perder. Os italianos perderam a invencibilidade em outubro de 2021, ao ser superada pela Espanha, na semifinal da Nations League. A sequência teve duração de três anos.

A Argentina estreia no Mundial na próxima terça-feira (22), contra a Arábia Saudita, às 7h (de Brasília). Durante a semana, Scaloni deu pistas sobre a equipe titular. A vaga deixada por Lo Celso é disputada entre Mac Allister e Papu Gómez.

Na defesa, Acuña trabalhou normalmente e formou o quarteto com Otamendi, Cuti Romero e Nahuel Molina. No ataque, Di María atuou ao lado de Lautaro Martínez.