Após suspeita de fraude, Hospital de Campanha de Casemiro de Abreu pode não ser aberto

Paulo Cappelli
O secretário de Saúde do Rio, Fernando Ferry, disse que cobrará à organização de saúde a abertura de hospitais de campanha

O secretário de Saúde do Rio, Fernando Ferry, disse que cobrará da organização social Iabas a abertura de hospitais de campanha e de leitos contratados para o combate ao Covid-19. Mas admitiu, citando especificamente a unidade de Casemiro de Abreu, que, devido ao atraso nas obras, nem todas as unidades deverão ser abertas.

— Precisamos avaliar com cuidado a necessidade de abrir os outros hospitais de campanha. A curva de contaminados, agora, está com leve queda — disse, informando que o TCE e uma comissão do governo estadual atuam para reaver o dinheiro investido nessas unidades.

A declaração foi dada durante a inauguração de 30 leitos de enfermaria no hospital de campanha do Maracanã nesta sexta-feira. A unidade é a única gerida pela Iabas após contrato com o Governo do Estado que foi inaugurada e está em funcionamento. Os da Lagoa-Barra, no Leblon e do Parque dos Atletas, no Riocentro, são geridos pela iniciativa privada, e foram entregues dentro do prazo acordado. Eles têm todos os leitos abertos, com fila única monitorada pela Central Estadual de Regulação.