Após suspeita, Polícia busca por corpo na casa de família mantida em cárcere privado

Após o levantamento de suspeitas por parte de populares, a Polícia decidiu investigar vestígios de corpos numa casa em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio, onde uma mulher e os dois filhos foram mantidos em cárcere privado por 17 anos. Depois de quatro horas de busca, com auxílio de dois cães farejadores, os agentes não encontraram vestígios de cadáveres na casa. No entando, a equipe recolheu amostras de terra para análise.

Depoimento: 'Só sai daqui morta', disse marido à mulher, no cárcere com filhos, ao saber que ela o deixaria

Entenda: Família mantida em cárcere privado em Guaratiba podia ter sido resgatada há dois anos

— Os cães apontaram um trecho do terreno. Não havia restos mortais. Mas apenas vestígios de que algo foi queimado. Recolhemos para análise — diz a delegada Cristiane Carvalho.

Segundo a delegada, a mãe da família negou que mais alguém vivesse na casa ou que tivesse morrido no local. Mas a declaração ainda não é o suficiente para descartar outras linhas de investigação.

— A mãe nega, mas o depoimento foi dado no hospital. E ela é vítima do caso, no momento está muito abalada.

Uma mulher e dois filhos foram libertados do cárcere privado na última quinta-feira, dia 28. A equipe policial localizou as vítimas em uma residência em Guaratiba, Zona Oeste do Rio, após receber uma denúncia anônima. Os jovens, que seriam filhos da mulher e do suspeito de mantê-los em cárcere, estavam amarrados, sujos e subnutridos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos