Após ter Covid, saiba quanto tempo esperar para tomar dose de reforço

·2 min de leitura
***ARQUIVO*** SÃO PAULO/ SP, BRASIL, 18.08.2021.  Fila para segunda dose na UBS N.Sra. do Brasil, em São Paulo. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO/ SP, BRASIL, 18.08.2021. Fila para segunda dose na UBS N.Sra. do Brasil, em São Paulo. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil enfrenta uma explosão de casos de Covid impulsionada pela variante ômicron. Em meio a esse cenário, a vacinação contra o vírus continua.

Com mais de 67% da população brasileira vacinada com o esquema primário --de duas doses ou de dose única--, grande parte das pessoas se prepara para receber o reforço do imunizante, que deve ser aplicado quatro meses após a segunda dose.

Porém, de acordo com uma nota técnica do Ministério da Saúde, quem foi infectado pela Covid-19 deve adiar a vacinação por pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas --pessoas assintomáticas deve esperar quatro semanas a partir do primeiro exame de PCR positivo.

A nota também destaca a necessidade de esperar a recuperação clínica total para então tomar a dose adicional, caso a enfermidade dure mais tempo.

A orientação quanto ao intervalo de quatro semanas no caso de infectados pela Covid-19, na verdade, independe se o paciente estiver em busca da primeira, segunda ou terceira dose.

O médico Renato Kfouri, diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), explica que, caso uma pessoa apresente sintomas de resfriado e a Covid-19 seja descartada, não há problema em receber o imunizante. O único ponto de atenção, nessa situação, é não ter tido febre nas últimas 48 horas.

Kfouri, no entanto, analisa que, provavelmente, desde o início da vacinação, muitas pessoas com Covid-19 assintomáticas foram vacinadas e que o intervalo proposto não se trata de uma medida com evidência científica que demonstrou a vacina faria mal ou teria necessariamente um desempenho diferente, mas, sim, de uma precaução.

"A recomendação é com base naquilo que se entende de outras doenças, na base de convalescença [termo que se refere ao período de recuperação que uma pessoa passa após alguma doença]", diz ele.

O médico André Ricardo Ribas Freitas, professor de epidemiologia da Faculdade de Medicina São Leopoldo Mandic, explica que a orientação de adiar a vacinação após ser infectado pelo vírus tem relação com a produção de anticorpos durante esse período.

"Ao receber o antígeno, o corpo do paciente começa a produzir anticorpos para neutralizar o vírus e, ao produzir anticorpos, o corpo está aprendendo a se defender. Se o paciente já tem níveis de anticorpos suficientemente altos para neutralizar esse vírus, a vacina corre o risco de a vacina não fazer efeito", explica Freitas.

Por isso, ele afirma, as quatro semanas seriam o tempo necessário para a redução dos níveis de anticorpos. Assim, quando o paciente receber a injeção, seu sistema imunológico estará preparado para trabalhar com novos anticorpos.

O médico reforça que a infecção por Covid-19 não garante a imunização pela doença, por isso a vacinação é necessária para conter o vírus.

"Os anticorpos que interessam para neutralizar o vírus são aqueles capazes de neutralizar a proteína spike. Não é por que o vírus tem mais anticorpos que a vacina que a infecção é mais efetiva", diz ele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos