Após tomar posse, Queiroga promete aumentar em três vezes o ritmo da vacinação contra Covid-19

Julia Lindner
·2 minuto de leitura

No primeiro pronunciamento após tomar posse, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, prometeu nesta quarta-feira aumentar em três vezes o ritmo da campanha de vacinação contra a Covid-19 no país. 

De acordo com Queiroga, é possível passar de 300 mil imunizados por dia para 1 milhão em um curto espaço de tempo porque "o Brasil tem condições de vacinar muitas pessoas". Ele também garantiu que recebeu autonomia para fazer indicações na pasta, com a criação de uma secretaria especial para cuidar da pandemia do novo coronavírus.

Leia também:

Queiroga afirmou que o primeiro compromisso do governo é garantir uma "forte campanha de vacinação" contra a Covid-19. E defendeu que houve um esforço do Executivo para garantir doses dos imunizantes à população.

QUEIROGA PEDE 'VOTO DE CONFIANÇA' DA POPULAÇÃO

O ministro disse, ainda, que o Brasil vive uma "emergência sanitária de importância internacional" há mais de um ano e que o presidente Jair Bolsonaro entendeu que deveria haver um médico no comando do Ministério da Saúde. Ele pediu um voto de confiança da população.

- Quando o médico não pode curar, precisa aliviar. E quando não pode curar, nem aliviar, precisa confortar. Um médico precisa ser um especialista de gente - declarou.

No discurso, Queiroga afirmou que assume a posição com apoio de outras pastas, como a Defesa, para auxiliar na logística, a Inteligência, para administrar o transporte, a Casa Civil, na área institucional, e as Comunicações, com ações para informar a população.

- O Sistema Único de Saúde (SUS), instituído com a Constituição de 1988, prescreve ser a saúde um direito de todos e um dever do Estado, garantido diante de políticas sociais e econômicas - disse.

Queiroga anunciou nomes da nova equipe. O secretário-executivo será Rodrigo Castro, apresentado como funcionário de carreira do Ministério da Economia. A Secretaria de Atenção à Saúde Especializada será comandada por Sérgio Okane, diretor do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP).