Após TRF-1 mandar, PF abre inquérito para investigar Coaf por relatório sobre advogado dos Bolsonaros

CAMILA MATTOSO
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 23-07-2019: Retrato de Frederick Wassef. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 23-07-2019: Retrato de Frederick Wassef. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal abriu inquérito para investigar o Coaf por causa do Relatório de Inteligência Financeira de Frederick Wassef, advogado ligado à família Bolsonaro.

A investigação foi aberta por determinação do TRF-1, como revelou o jornal Folha de S.Paulo nesta quinta-feira (4). O relator do caso é o juiz federal Ney Bello.

O inquérito ficará na superintendência do Distrito Federal.

A requisição do TRF-1 foi feita após o tribunal considerar ilegal a elaboração do documento. O entendimento foi de que o chamado RIF foi feito sem justificativa. O relatório mostra ao menos três operações bancárias suspeitas do advogado.

A decisão de anular o relatório sobre o advogado foi da terceira turma do TRF-1. A requisição de abertura de inquérito causou surpresa e indignação no Coaf. O órgão disse ao tribunal que seguiu padrão interno no caso de Wassef.

Além de querer identificar responsáveis por eventual quebra de sigilo ilegal, o tribunal também mandou a PF investigar o vazamento do documento, que veio à tona em agosto do ano passado.