Após vídeo em que chama para manifestações, Bolsonaro nega que incentivou protestos

Leandro Prazeres, Gustavo Maia, Daniel Gullino e Marcello Corrêa

BRASÍLIA — Usando máscara, o presidente Jair Bolsonaro voltou a negar nesta quarta-feira que tenha convocado manifestações realizadas no domingo, quando manifestantes protestaram a favor do governo e contra instituições como o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso Nacional.

No dia 7 de março, porém, durante uma escala em Boa Vista (RR), Bolsonaro chamou a população às manifestações.

— Não convoquei ninguém. Não existe nenhum aúdio, nenhuma imagem minha convocando para o dia 15 de março de 2020. Existe, sim, um vídeo de eu convocando para 15 de março 2015, uma manifestação contra a presidente daquele momento — disse o presidente em entrevista coletiva realizada no Palácio do Planalto.

No vídeo publicado no dia 7 de março, Bolsonaro disse políticos não poderiam ter medo de manifestações nas ruas.— Quem tem medo de movimento de rua não serve para ser político - afirmou Bolsonaro na época.Bolsonaro tentou minimizar o impacto das manifestações realizadas no domingo. Segundo ele, o total de pessoas reunidos nas cidades brasileiras durante os atos seria pequeno se comparado, por exemplo, ao total de usuários do sistema de transporte coletivo da cidade de São Paulo.

— O povo, em grande parte, resolveu por livre e espontânea vontade comparecer às ruas. Essa concentração de pessoas em todo o Brasil foi abaixo de um milhão ou próximo de um milhão (de pessoas). Isso equivale a menos de 20% das concentrações que existem diariamente, por exemplo, no município de São Paulo, por ocasião dos transportes coletivos — afirmou Bolsonaro.