Apagão no Amapá deixa capital e 13 cidades sem luz

NICOLA PAMPLONA
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Um incêndio em uma subestação de energia na noite terça (3) deixou Macapá e outros 13 municípios do Amapá sem energia elétrica. O governo criou um gabinete de crise para avaliar o problema, mas ainda não há previsão de retomada do fornecimento. Segundo o MME (Ministério de Minas e Energia), a interrupção no fornecimento ocorreu às 20h47 de terça, devido a incêndio e transformador da subestação de Macapá, que levou ao desligamento automático de linhas de transmissão e de duas hidrelétricas que abastecem a região. Em vídeo gravado com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), classificou o caso como uma "tragédia". "É uma situação preocupante, estamos ali isolados agora sem energia, é uma dificuldade muito grande", afirmou. Albuquerque e Alcolumbre se reunirão com o governo estadual em Macapá às 21h desta quarta (4) para avaliar a situação e buscar alternativas para restabelecer o fornecimento. "Esperamos que no final da noite possamos dar alguma previsão [de retorno]", afirmou o ministro no vídeo. O Amapá foi conectado em 2015 ao Sistema Interligado Nacional, a rede de transmissão de energia que abastece o país, com a conclusão da linha de transmissão ligando Tucuruí a Manaus. Mas a chegada da energia depende do funcionamento da subestação incendiada. O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) determinou nesta quarta a retomada das operações de uma das hidrelétricas no estado e alguns bairros chegaram a ter o fornecimento restabelecido, mas de forma instábel. "O ONS está coordenando os agentes envolvidos e acompanhando a situação para que haja o mais rápido restabelecimento possível", disse o órgão, em nota. Em redes sociais, moradores relatam problemas provocados pela falta de energia, incluindo dificuldades para realizar ligações telefônicas. Atendidas por outros sistemas, apenas Oiapoque, no extremo norte do estado, e Laranjal do Jari, no extremo sul, escaparam do apagão.