Apagão no Amapá: laudo inicial descarta que incêndio em subestação tenha sido provocado por raios

O Globo
·2 minuto de leitura

MACAPÁ - A Polícia Civil do Amapá descartou, inicialmente, na tarde desta quarta-feira (11), em coletiva à imprensa, que o incêndio na subestação da Isolux tenha sido provocado por um raio. A afirmação é com base no laudo apresentado pela Polícia Técnico-Científico do estado (Politec) e detalhado aos jornalistas.

A coletiva, coordenada pelo delegado-geral, Uberlândio Gomes, contou ainda com a participação dos delegados Fábio Araújo, Janeci Monteiro e Daniela Graça. Os dois últimos integrantes da Delegacia do Consumidor.

De acordo com o laudo, os peritos analisaram o para-raios dos transformadores e perceberam que ele estava intacto.

Os trabalhos foram acompanhados Delegacia de Crimes Contra o Consumidor (Deccon) que pediu o bloqueio de R$ 500 milhões das contas da concessionária que opera a subestação para a reparação de danos aos consumidores que tiveram prejuízos por conta do apagão. Mas, do total desejado, a Justiça estadual bloqueou apenas R$ 50 milhões, determinado pela juíza Mayra Brandão, da 3ª Vara Criminal da capital.

Na manhã desta quinta-feira, a Polícia Civil cumpriu mandados de busca e apreensão na subestação que pegou fogo no dia 3 de novembro, em Macapá, cortou o fornecimento de energia em 13 dos 16 municípios do estado. Pessoas foram ouvidas oitivas, mas ninguém foi preso.

De acordo com o delegado Janeci Monteiro, "o perito emitiu uma constatação preliminar informando que o problema ocorreu em uma das buchas do transformador", revelou.

— Essa foi a causa do incêndio. Além disso, a empresa não possuía uma guarnição que pudesse, naquele momento, fazer a contenção do fogo — complementou.

Ainda de acordo com o laudo, o transformador que incendiou, acabou provocando uma sobrecarga no segundo, que acabou sendo danificado. O terceiro não estava em atividade.

A investigação continua e para evitar o "perecimento de provas", a Polícia Civil realizou busca e apreensão na empresa, que aconteceu na terça-feira (10), mas só foi revelada somente agora à tarde, durante a coletiva.

*Especial para O Globo