Aparar ou remover os pelos das partes íntimas pode ser perigoso

Será que o risco vale a pena? [Foto: Pexels]

Se você precisava de outra razão para abandonar sua rotina de depilação e deixar seus pelos crescerem, ela está aqui.

Entre aqueles que aparam os pelos das partes íntimas, uma em cada quatro pessoas se machuca durante o processo.

Os cortes são o problema mais comum – sim, cortes em seus órgãos genitais extremamente delicados.

Um estudo publicado pela revista científica Dermatology descobriu que os cortes são as lesões mais frequentes, seguidos por queimaduras e erupções cutâneas.

Entre os que têm este hábito, um grupo particularmente azarado de 1,4%, precisou de cuidados médicos para tratar suas lesões.

Os pelos não foram feitos para serem aparados [Foto: Pexels]

Para chegar a estes números, o Dr. Benjamin Breyer, da Universidade da Califórnia, e seus colegas, entrevistaram 7.570 homens e mulheres norte-americanos, e descobriram que mais de três quartos deles (76,1%) já havia aparado ou depilado as partes íntimas de seus corpos.

Eles também descobriram que 25,6% (1.430 pessoas) sofreram lesões, em decorrência da retirada dos pelos.

Entre os principais fatores de risco estão a frequência da depilação e a intensidade da mesma (em outras palavras, remover completamente os pelos uma vez por mês não fará nenhum bem ao seu órgão sexual).

Mantenha as tesouras longe [Foto: Pexels]

Agora, os médicos querem entender melhor como a depilação pode levar a estas lesões.

O Dr. Breyer disse: “Este estudo pode contribuir para o desenvolvimento de diretrizes clínicas, ou recomendações, para que a retirada dos pelos seja feita com segurança”.

Claramente, nós precisamos disso.

Alice Sholl