Apesar do avanço da Ômicron, cariocas e turistas aproveitam primeiro fim de semana sem chuvas do ano no Rio

·3 min de leitura

RIO — Demorou, mas chegou. Finalmente turistas e cariocas puderam aproveitar o primeiro final de semana sem chuvas no Rio desde o Natal. Um céu azul com sol e bastante calor permitiu um domingo de praias cheias na cidade. Com o risco por conta da circulação da variante Ômicron do coronavírus, alguns frequentadores reforçaram os cuidados para conseguirem curtir o dia típico do verão.

— Estamos aproveitando o dia bonito depois de um período mais chuvoso. Estamos usando a máscara sempre que possível porque estamos em uma pandemia ainda, então é importante manter os cuidados — diz o professor de biologia Pietro, de 27 anos, que é de São Paulo e estava acompanhando uma amiga francesa em uma caminhada no famoso calçadão de Copacabada.

— Levei um susto, quando eu cheguei pensei "ah não" — conta a pesquisadora de mestrado Larissa, de 27 anos, que acompanhava Pietro e a outra amiga, quando viu o céu encoberto nesta manhã no Rio.

Apesar de tímido no início do dia, o sol resolveu vir com tudo e permitiu um belo dia de praia.

— Parece que durante todo esse tempo de chuva o sol estava só aguardando para guando chegar, vir arrebentando — diz a vendedora Joana Oliveira, de 21 anos.

Assim como os amigos que estavam no calçadão, o advogado Miguel Vieira, de 47 anos, aproveitou o tempo aberto para caminhar na orla com a máscara no rosto, mesmo sem a obrigatoriedade do uso em locais abertos.

— Acho melhor não arriscar. Eu estava com Covid e saí sexta-feira do hospital. Tive pneumonia depois da doença e internei no dia 3 de janeiro. Estava chovendo direto, mas eu nem vi né, estava no hospital. Saí de lá e trouxo o sol (risos) — brinca.

Além da máscara, o distanciamento também é uma manobra usada por cariocas e turistas. Em meios às muitas barraquinhas na areia, Vera Lucia do Carmo, de 57 anos, tirou o domingo para beber uma cerveja gelada e colocou sua cadeira mais afastada do resto do pessoal.

— Fiquei muito tempo sem sair de casa por causa da pandemia. Hoje vim aproveitar a praia, mas com cuidados. Não só por mim, mas também por pessoas que estão a minha volta, como minha mãe. Temos que proteger quem amamos. Fico aqui afastada de todo mundo, saio da praia e coloco minha máscara. Estou com muito medo dessa nova variante. Mas estou gostando do dia hoje, o sol faz falta né? É saúde também — explica Vera.

Segundo últimos dados divulgados pela prefeitura, o novo pico de casos de Covid-19 provocados pela variante Ômicron no Rio já é três vezes maior que o anterior, no auge da onda causada pela cepa Delta na cidade.

A pedagoga Juliana Andrade foi a praia de Copacabana na expectativa apenas de um mormaço e se surpreendeu com o calorão. Colocando a máscara para ir embora para casa, ela conta que nem sempre é possível manter todos os cuidados em dias de praias lotadas:

— Sempre tem gente que chega e vai se aproximando, mas a gente tenta ao maximo manter a distância, nem sempre consegue. Ando sempre com álcool na bolsa também.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos