Apesar de demonstrações de 'desilusão' no Twitter, rede bolsonarista opta pelo 'silêncio' após nota de Bolsonaro

·1 minuto de leitura

A maior parte da rede bolsonarista no Twitter preferiu ficar em silêncio nas primeiras horas após a divulgação da nota do presidente Jair Bolsonaro com acenos ao Supremo Tribunal Federal (STF). Os poucos perfis alinhados ​ao presidente que se manifestaram demonstraram desilusão com o recuo após as manifestações de 7 de setembro.

A conclusão é de uma análise feita pela consultoria Arquimedes a pedido do GLOBO a partir de 95 mil publicações na plataforma compartilhadas entre o horário em que a nota foi divulgada até as 18h desta quinta-feira. Ao todo a oposição ao presidente dominou o debate sobre a repercussão da nota, somando 85% do total de tuítes, contra 15% do campo bolsonarista.

Os perfis bolsonaristas com maior impacto no Twitter foram de aliados que demonstraram discordar da posição do presidente. Foi o caso do jornalista Rodrigo Constantino, que pediu a volta do ex-presidente Michel Temer, apontado como responsável pela mudança de tom de Bolsonaro, ao cargo de presidente.

O pastor Silas Malafaia e o blogueiro Allan dos Santos completam a lista. Malafaia afirmou que "continua aliado, mas não alienado", ao se referir a nota do presidente, e fez ataques ao ministro Alexandre de Moraes. Já Santos ganhou destaque ao chamar o texto compartilhado no site do Planalto de "apático".

— O bolsonarismo ficou perdido. Não sabem como reagir à nota. O silêncio indica que aguardam alguma orientação para saber qual tom adotarão. Ainda assim, alguns perfis já se manifestaram em tom de desilusão e até revolta — destaca Pedro Bruzzi, da Arquimedes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos