Apesar do sonho do bi frustrado, nada de baixo astral na quadra da Viradouro

RIO — Minutos após o anúncio da vitória da Grande Rio na carnaval 2022, quando sequer se sabia a colocação final da Viradouro na disputa, o som da transmissão da apuração das notas foi desligado na quadra da escola, e as atenções se voltaram para o barulho crescente dos surdos, as caixas e os tamborins. A esperança do bicampeonato, alimentada pela bela passagem da agremiação pela Sapucaí no sábado, foi frustrada: a escola terminou em terceiro lugar. Mas a reação da comunidade pareceu fazer jus ao enredo deste ano ("Não há tristeza que possa suportar tanta alegria").

Apesar do sonho interrompido, o clima foi de festa regada a cerveja. Sem arredar o pé, os membros da comunidade receberam o resultado ao som da bateria do mestre Ciça, que tocou o samba-enredo da Viradouro. A emoção na quadra foi canalizada no catártico verso "Carnaval, te amo! Na vida és tudo pra mim", entoado em uníssono. Acima de tudo, restou o orgulho pelo trabalho bonito da vermelho e branco nos últimos dois carnavais.

— O que eu sinto depois desse resultado é orgulho. Ficar entre as campeãs já é de grande tamanho, ainda mais diante de um desfile tão bonito da Grande Rio — disse o folião Bruno da Silva, de 26 anos.

Durante a apuração, a quadra festejou cada nota dez para a Viradouro e cada décimo perdido pelas concorrentes diretas, sobretudo a Beija-Flor, com a qual a agremiação de Niterói disputou o vice-campeonato acirradamente. O momento de maior vibração foi quando, após o quesito "Alegorias e adereços", a Beija-Flor caiu para a terceira colocação, deixando a segunda para a Viradouro. A escola de Nilópolis, contudo, recuperou seu desempenho nos quesitos seguintes.

Neste ano, a Viradouro traçou um paralelo entre a Covid-19 e a gripe espanhola, revivendo o carnaval de 1919, o primeiro após a pandemia de Influenza, com um samba em forma de carta.

— O lirismo tomou conta da gente — disse Aline Moraes, de 36 anos, após a apuração. — Independentemente da posição, a Viradouro subiu, e agora não vai sair das cabeças.

Ela desfilou na primeira ala da escola junto com sua amiga, Jaiane Santos, de 26 anos. As duas também levaram suas filhas para a Sapucaí. Alice Luiza, filha de Aline, e Maria Clara, filha de Jaiane, ambas com 10 anos, desfilaram com a Velha Guarda da agremiação.

— O importante é estar na quadra. Estamos em estado de graça — disse Jaiane.

A Viradouro foi campeã do último carnaval antes da pandemia, em 2020, com o enredo "Viradouro de alma lavada", que tratou das Ganhadeiras de Itaupã, grupo de lavadeiras da Lagoa do Abaeté. O título encerrou um jejum de 23 anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos