Aplicativo falso de 'leilão de muçulmanas' revela alto grau da islamofobia e misoginia na Índia

·1 min de leitura

A Índia foi abalada esta semana por uma escandalosa campanha islamofóbica na internet: criminosos criaram um aplicativo no qual postavam fotos de mulheres muçulmanas famosas para, segundo eles, leiloá-las. A polícia prendeu os primeiros suspeitos, mas não foi a primeira vez que este tipo de situação acontece nada Índia, reflexo do vertiginoso crescimento da islamofobia no país. O aplicativo oferecia em leilão mulheres muçulmanas famosas como advogadas, ativistas, jornalistas e pilotos de avião.

Sébastien Farcis, correspondente da RFI em Nova Délhi

O aplicativo Bulli Bai apresentava fotos, às vezes editadas e em posições degradantes, de cerca de 100 mulheres muçulmanas, oferecendo-se para leiloá-las. Nenhuma transação ocorreu antes da aplicação ser retirada da internet. A ferramenta tinha como objetivo principal humilhar mulheres muçulmanas famosas e independentes: os perfis incluíam ativistas, advogadas, uma piloto de avião, assim como muitas jornalistas.

O jornalista de rádio Sayema ​​Rahman foi uma das profissionais de imprensa. “Fomos alvo porque somos mulheres, somos muçulmanas, temos um espírito livre e temos sucesso na vida”, disse ela. Falamos pelos oprimidos, tentamos combater as injustiças e esta é uma campanha organizada para nos silenciar."

Impunidade

E não é a primeira vez que isso acontece. De fato, em julho passado, quase o mesmo sistema foi usado contra 80 outras mulheres, com um aplicativo chamado Sulli Deals.

Enquanto aguardam o julgamento, outra luta tem início na Índia: trata-se do comabte que as mulheres agredidas, "vendidas" em leilão pelo falso aplicativo, lideram atualmente, com suas equipes de trabalho, para manterem a cabeça erguida.


Leia mais

Leia também:
Catástrofe na pandemia: gestão de Modi na Índia é como a de Bolsonaro no Brasil, diz especialista
Guru indiano causa polêmica ao propor ervas ayurvédicas e ioga para curar Covid-19
Covid-19 na Índia: pobreza gera os excluídos "digitais" da vacinação

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos