Apoio do Irã a Maduro ameaça segurança da América Latina, diz Guaidó

Por Alina DIESTE
(Arquivo) O presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó

O apoio do Irã ao governo Nicolás Maduro ameaça a segurança da América Latina, disse o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó nesta quarta-feira (20), após Teerã alertar sobre "consequências" se os Estados Unidos impedirem a entrega de petróleo iraniano à Venezuela.

O líder parlamentar, reconhecido como presidente interino da Venezuela pelos Estados Unidos e outras cinquenta nações, afirmou que o vínculo de Maduro com o Irã "deve ser motivo de alarme" para a região, dada a posição geográfica "estratégica" do país sul-americano.

"Estamos muito preocupados com a segurança da Venezuela e da América Latina por essa tentativa de presença iraniana em solo venezuelano não autorizado pelo Parlamento nacional", declarou Guaidó, durante uma videoconferência organizada pelo Diálogo Interamericano, um 'think tank' com sede em Washington.

O Irã, próximo à Venezuela desde o governo do ex-presidente Hugo Chávez (1999-2013), expressou repetidamente seu apoio a Maduro, cuja reeleição em 2018 é considerada uma fraude por países que apoiam os esforços de Guaidó para uma transição democrática na Venezuela.

Mas Guaidó afirmou que os laços de Maduro com a República Islâmica foram recentemente fortalecidos com o transporte de petróleo iraniano que, segundo ele, Caracas paga com ouro extraído ilegalmente da Amazônia venezuelana.

"Eles estão pagando por essa combustível com ouro no sul da Venezuela", garantiu.

Segundo informações da imprensa, cinco navios-tanque partiram nos últimos dias do Irã e avançam para o Caribe venezuelano, onde Washington anunciou no início de abril uma maior vigilância do crime organizado, destacando embarcações da Marinha.

"Estamos monitorando constantemente esses navios e os 17 voos que a Mahan Air, uma companhia aérea (iraniana) sancionada por transportar armas, realizou no aeroporto de Las Piedras, onde permanece uma das principais refinarias da Venezuela", acrescentou Guaidó.

O Tesouro americano sancionou uma empresa sediada na China na terça-feira por suas supostas negociações com a Mahan Air.

Em uma declaração sobre a decisão, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse que era "perturbador" que "Mahan Air aparentemente carregasse ouro da Venezuela para o Irã".

- "Preocupação dos EUA" -

Sob sanções dos Estados Unidos que buscam pressionar a saída de Maduro do poder, a Venezuela tem as maiores reservas comprovadas de petróleo do mundo, mas analistas dizem que o setor opera abaixo da capacidade, e o país está atualmente sofrendo uma grave escassez de petróleo. Gasolina.

Guaidó, que acusa Maduro de destruir a infraestrutura energética da Venezuela e mergulhar o país em um colapso econômico e humanitário desde que chegou ao poder em 2013, viu a colaboração iraniana no petróleo como "um aparato de propaganda".

A agência de notícias iraniana Fars divulgou no sábado que recebeu informações de que quatro navios de guerra da Marinha americana estavam no Caribe por causa de "um possível confronto com os petroleiros iranianos".

No domingo, Teerã alertou em uma carta ao secretário-geral da ONU, António Guterres, que os Estados Unidos devem respeitar as "consequências de quaisquer medidas ilegais" realizadas no Caribe para impedir a chegada de derivados de petróleo iranianos na Venezuela.

Na segunda-feira, o almirante Craig Faller, chefe do Comando Sul dos Estados Unidos no Caribe, disse que Washington está "preocupado" com as ações no Irã em relação à Venezuela, mas se recusou a comentar sobre os navios-tanque.

Esse "apoio ao ilegítimo regime de Maduro" busca "obter uma vantagem posicional em nossa região como forma de combater os interesses dos Estados Unidos", disse Faller durante uma videoconferência organizada pela Universidade Internacional da Flórida.

O principal diplomata americano para assuntos venezuelanos, Elliott Abrams, denunciou semanas atrás que o Irã é "o último ator prejudicial" que apoia Maduro depois de Cuba, Rússia e China.