Após escândalo, Prevent Senior desafia médicos que denunciaram mortes ocultas

·2 minuto de leitura
5ª morte foi confirmada somente pela operadora de saúde. (Foto: Prevent Senior/Divulgação)
Prevent Senior estaria envolvida em escândalo envolvendo estudo fraudulento para incentivar uso de cloroquina (Foto: Prevent Senior/Divulgação)
  • Prevent Senior desafiou médicos a comprovarem fraudes em estudos

  • Empresa sugeriu que CPI convocasse médicos que denunciaram a Prevent Senior para depor

  • Diretor da empresa deveria ter deposto hoje à CPI, mas não apareceu

Após a revelação de um estudo que escondeu mortes de pacientes tratados com cloroquina e azitromicina, a Prevent Senior desafiou médicos a comprovarem as fraudes. A publicação foi feita nas redes sociais da empresa. 

"A Prevent Senior desafia os supostos médicos que fizeram denúncias anônimas à CPI a apresentarem argumentos e provas. Que sejam convocados pelos senadores para que tudo seja passado a limpo", publicou a Prevent Senior. 

O diretor da empresa deveria ter deposto à CPI da Covid no Senado nesta quinta-feira (16), mas não compareceu. 

Leia também

Entenda o caso

O plano de saúde Prevent Senior realizou um estudo para testar o uso de hidroxicloroquina, associada à azitromicina, para tratar a covid-19. Em um dossiê, recebido pela CPI da Covid e divulgado pela GloboNews, há indícios que a empresa escondeu mortes de pacientes que receberam o tratamento.

Segundo a GloboNews, a Prevent Senior divulgou que duas pessoas morreram durante o uso da medicação. Na planilha, constam nove mortes.

O estudo recebeu o apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que chegou a fazer publicações nas redes sociais para exaltar o uso do medicamento, que não tem eficácia contra a covid-19. Defensores da cloroquina também usaram a pesquisa como argumento.

À GloboNews, um médico da Prevent Senior afirmou que o estudo foi manipulado para tentar provar que a cloroquina era eficaz contra a covid. O resultado, segundo o médico, já estava pronto mesmo antes do fim do estudo.

A pesquisa começou a ser feita em 25 de março de 2020. Em mensagens divulgadas pela emissora, o diretor da empresa, Fernando Oikawa, orienta os médicos a não informar as famílias sobre a medicação. “Iremos iniciar o protocolo de HIDROXICLOROQUINA + AZITROMICINA. Por favor, NÃO INFORMAR O PACIENTE ou FAMILIAR, (sic) sobre a medicação e nem sobre o programa”

Mortes de pacientes

No total, nove pessoas que participavam do estudo morreram. Entre elas, seis estavam no grupo que tomou hidroxicloroquina associada à azitromicina. Dois estavam no grupo que não recebeu os remédios. Sobre o outro paciente que morreu, não há informações se ele foi medicado ou não.

O que diz a Prevent Senior

Em nota enviada à GloboNews, a Prevent Senior negou as denúncias se afirmou que está tomando medidas para investigar quem “está tentando desgastar a imagem” da empresa.

A companhia afirmou que os números estão à disposição da CPI da Covid e disse que os médicos sempre tiveram a autonomia respeitada.

Antes, médicos que trabalham para a empresa já haviam denunciados que foram obrigados a receitarem medicamentos do chamado "kit covid".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos