Após faixa pró-Bolsonaro em cerimônia, indígenas do Xingu negam apoio a presidente

Cerimônia ocorreu nos dias 20 e 21 de agosto, na Aldeia Mehinaku, no Alto Xingu. (Foto: Reprodução)
Cerimônia ocorreu nos dias 20 e 21 de agosto, na Aldeia Mehinaku, no Alto Xingu. (Foto: Reprodução)

Lideranças indígenas do Xingu, em Mato Grosso, manifestaram repúdio ao vídeo postado pelo vereador Carlos Bolsonaro com o registro de uma cerimônia da aldeia. Na filmagem de 56 segundos, duas pessoas da aldeia mostraram uma faixa de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL).

De acordo com o grupo, eles não apoiam o atual presidente e a ação foi realizada por decisão pessoal de dois parentes, sem a anuência dos demais presentes.

Carlos, filho do candidato à reeleição, postou o vídeo em um de seus perfis nas redes sociais e chamou o ato de “indiociata”. Na legenda, ele provocou: "O Ladrão agora desmaia e nem adianta garrafinha d'água".

A faixa mostrada na cerimônia tinha a foto de Jair Bolsonaro e a frase “Meu partido é o Brasil”. Do outro lado, “Bolsonaro 2022”.

A Associação Terra Indígena do Xingu (ATIX) emitiu uma nota contra a publicação de Carlos Bolsonaro. De acordo com os indígenas, os políticos e seguidores do atual Presidente da República se aproveitaram de forma desonesta do momento de celebração do ritual sagrado do Kuarup. Além disso, a associação afirmou que a cerimônia homenageia lideranças indígenas que morreram e que os mortos ali representados foram vítimas de Covid-19.

Nota da Associação Terra Indígena do Xingu na íntegra:

A Associação Terra Indígena do Xingu (ATIX), entidade representativa dos 16 povos do território indígena do Xingu vem a público declarar repúdio ao ato premeditado dos políticos e seguidores do atual presidente da república que se aproveitaram de forma desonesta do momento de celebração do ritual sagrado do Kuarup para induzir alguns indígenas a expor imagens e cartazes com intenção de vincular os povos do território indígena do Xingu como simpatizantes do atual presidente do Brasil.

Tal ato registrado em vídeo e que agora está sob posse e divulgado pela família do atual presidente nas redes sociais para fins eleitoreiro demonstra o total desrespeito pelas manifestações sagradas do povo xinguano.

O ato é uma afronta contra tudo o que o ritual Quarup representa de sagrado e um atentado contra a dignidade e honra da família dos mortos homenageados. Mais do que isso, os mortos ali representados foram vítimas de Covid-19 para os quais o atual governo omitiu atenção e negou a vacina, assim como fez para a sociedade brasileira.

Os indivíduos indígenas envolvidos no ato são meros induzidos a praticarem atos infelizes como este, que também são vítima da verdadeira intenção dos mandantes que pretendem de forma desonesta manipular os indígenas para apoiar um político que sequer tem apreço e sensibilidade pela causa indígena, que pelo contrário tem se dedicado para destruir os nossos direitos a terra, nossos valores, modo de viver e desestabilizar nossas instituições.