Após fala de Bolsonaro, OMS pede que vacinados continuem a usar máscara

·4 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro speaks during a press conference on the resignation of Justice Minister Sergio Moro, at the Planalto Presidential Palace in Brasilia, Brazil, Friday, April 24, 2020. Moro, who became popular as a crusader against corruption, resigned on Friday, alleging political interference in the federal police force. (AP Photo/Eraldo Peres)
Na quinta à noite, Bolsonaro disse que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, iria derrubar o uso obrigatório de máscara por quem já foi vacinado ou contraiu o coronavírus e se recuperou (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)
  • A OMS voltou a recomendar o uso da máscara para pessoas já vacinadas ou para aqueles que já foram infectados pela Covid-19, após fala negacionista do presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

  • Na quinta à noite, Bolsonaro disse que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, iria derrubar o uso obrigatório de máscara por quem já foi vacinado ou contraiu o coronavírus e se recuperou

  • Nas redes sociais, o escritório da OMS na Europa foi enfatizou que a vacinação é fundamental para o mundo chegar ao final da pandemia

A Organização Mundial da Saúde (OMS) voltou a recomendar o uso da máscara para pessoas já vacinadas ou para aqueles que já foram infectados pela Covid-19, após fala negacionista do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na noite de quinta-feira (11).

"Deixamos a cada país tomar sua decisão, mas essa é a nossa recomendação", disse. "Vacinas são muito boas para evitar doenças. Mas ela não é um tratamento e só agem se você já foi infectado", disse Margaret Harris, porta-voz da organização, a coluna do jornalista Jamil Chade, do UOL, nesta sexta-feira (11).

Leia também:

"O que queremos é reduzir a transmissão da doença e não sabemos se as vacinas podem evitar transmissão", explicou. "Usar a máscara, portanto, é para prevenir a transmissão".

Na quinta à noite, Bolsonaro disse que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, iria derrubar o uso obrigatório de máscara por quem já foi vacinado ou contraiu o coronavírus e se recuperou.

“Acabei de conversar com um tal de Queiroga, não sei se vocês sabem quem é. Ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que estejam vacinados ou que já foram contaminados", disse Bolsonaro, sendo aplaudido por apoiadores.

"Para tirar esse símbolo (diz, levantando a máscara), que obviamente tem a sua utilidade para quem está infectado", completa o presidente, que já questionou anteriormente a eficácia das máscaras.

Vacinação é fundamental para fim da pandemia

Nas redes sociais, o escritório da OMS na Europa foi enfatizou que a vacinação é fundamental para o mundo chegar ao final da pandemia. 

"Vacinas nos aproxima e aproxima do final da pandemia", diz. "Mesmo se você estiver vacinado, você ainda pode ser infectado e passar o vírus", alertou. 

Brazil's President Jair Bolsonaro gestures to supporters wearing a protective face mask before a press conference amidst the Coronavirus (COVID-19) pandemic at Galeao Airport in Rio de Janeiro, Brasil, on May 5, 2021. (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)
Em seu último boletim semanal, a agência indicou que o número de novos casos de contaminação caiu em 15% em sete dias no mundo. Mas, no Brasil, a tendência é de alta e o país registrou um aumento de 7% nesse mesmo período (Foto: Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)

A OMS pede que países e sociedades "façam tudo". Isso inclui: "manter distância segura, use a máscara e limpe as mãos", recomendações que a organização faz desde o início da pandemia.

Dados da OMS revelam que a pandemia da covid-19 no Brasil vai na direção contrária da situação internacional. Em seu último boletim semanal, a agência indicou que o número de novos casos de contaminação caiu em 15% em sete dias no mundo. 

Mas, no Brasil, a tendência é de alta e o país registrou um aumento de 7% nesse mesmo período.

Necessidade de máscara independe de vacinação, diz OMS

O uso obrigatório de máscaras não deve levar em conta apenas a vacinação, afirmou a OMS, no dia 14 de maio, ao responder a uma pergunta sobre a decisão dos Estados Unidos de liberar pessoas completamente imunizadas de portar o equipamento e de respeitar distanciamento físico.

Quem está vacinado "pode voltar a fazer as coisas que deixou de fazer por causa da pandemia", disse Rochelle Walensky, diretora do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças). A medida alcança 108 milhões de residentes nos EUA já completamente imunizados, de acordo com o CDC.

Ainda que vacinas reduzam doenças graves, hospitalizações e mortes, elas não têm 100% de eficácia, e usar ou não máscaras não depende da imunização, mas do grau de circulação do vírus, disse o diretor-executivo da OMS, Michael Ryan.

"É fundamental levar em conta a transmissão comunitária [quando a circulação do vírus em um território independe da chegada de pessoas de fora infectadas]" antes de relaxar medidas antitransmissão, disse ele.

A transmissão comunitária nos Estados Unidos está em nível laranja (o segundo maior entre cinco graus possíveis), de acordo com o acompanhamento do CDC, e chega ao vermelho em 11 estados, entre eles Flórida, Pensilvânia, Illinois, Michigan e Colorado.

Austrália e Nova Zelândia foram citadas como exemplos de como a decisão sobre máscaras está dissociada do estágio de vacinação. Mesmo sem campanhas de imunização avançada, esses países conseguiram suprimir a transmissão do coronavírus, o que permitiu evitar restrições.