Após matéria, Bolsonaro diz que Folha ‘é canalha’ e foi ao ‘fundo do esgoto'

Redação Notícias
Reportagem indica que dinheiro de esquema de laranjas foi usado como caixa 2 na campanha de Bolsonaro (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Reportagem indica que dinheiro de esquema de laranjas foi usado como caixa 2 na campanha de Bolsonaro (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Reportagem indica que dinheiro do esquema de laranjas do PSL foi usado na campanha do presidente

  • Sérgio Moro disse que a notícia ‘não reflete a realidade’, sugerindo que tem acesso à investigação

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) chamou o jornal Folha de S. Paulo de “canalha” e disse que o periódico “foi ao fundo do esgoto” no último domingo (6). A declaração veio após a publicação de uma reportagem que aponta para o uso de caixa dois na campanha dele à Presidência em 2018.

A notícia analisa uma planilha apreendida na apuração das contas de campanha do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. O documento indica que o dinheiro obtido ilegalmente através do esquema de laranjas do PSL foi usado, por meio de caixa dois, para a campanha de Bolsonaro e do próprio ministro, que concorria a deputado federal em Minas Gerais.

Leia também

A planilha tinha o nome de “MarceloAlvaro.xlsx”, e nela os autores se referem ao fornecimento de material eleitoral para a campanha de Bolsonaro com a expressão “NF”, que os investigadores entendem como nota fiscal, e com “out”, o que significaria pagamento “por fora”.

Na semana passada, Marcelo Álvaro foi indiciado pelos crimes de crimes de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa. Por enquanto, não há nenhuma ação da Polícia Federal sobre as menções ao presidente da República na planilha.

Jair Bolsonaro respondeu as acusações em sua conta no Twitter, sem citar a planilha:

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, também se pronunciou sobre as acusações contra o presidente nas redes sociais, sugerindo que tem acesso a informações da investigação conduzida pela Polícia Federal e pelo Ministério Público de Minas Gerais:

A publicação de Moro foi curtida por Bolsonaro e compartilhada na página oficial do presidente no Facebook.

Na reportagem, a Folha cita também o depoimento de Haissander Souza de Paula à Polícia Federal. Ele era assessor parlamentar de Marcelo Álvaro Antônio à época, e coordenou a campanha ele a deputado federal no Vale do Rio Doce (MG). Haissander disse que “acha que parte dos valores depositados para as campanhas femininas, na verdade, foi usada para pagar material de campanha de Marcelo Álvaro Antônio e de Jair Bolsonaro”.

Em seus comentários nas redes sociais, Bolsonaro se refere a Haissander como “tal assessor”.