Após novo aumento de tarifa, SuperVia pede recuperação judicial

·1 minuto de leitura
A companhia, que atribuiu as dividas a redução de passageiros na pandemia, é responsável por oito ramais e 104 estações distribuídas em 12 municípios.
A companhia, que atribuiu as dividas a redução de passageiros na pandemia, é responsável por oito ramais e 104 estações distribuídas em 12 municípios.

Com dívidas acumuladas em R$ 1,215 bilhão, a SuperVia, empresa que opera os trens urbanos no Rio de Janeiro, entrou com pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira, 7. A companhia, que atribuiu as dividas a redução de passageiros na pandemia, é responsável por oito ramais e 104 estações distribuídas em 12 municípios. 

Conforme publicado pelo Jornal Extra, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é o principal credor, tendo R$ 840 milhões a receber do grupo (69% do passivo). A concessionária de energia Light detém 13%.

Leia também:

Segundo a Supervia, os trens transportavam 600 mil passageiros por dia antes da pandemia. Hoje, o movimento é de 300 mil passageiros, uma queda de 50%. No início de junho, a concessionária anunciou novo aumento da tarifa, de R$ 5 para R$ 5,90, a ser cobrada a partir de julho. O argumento é o mesmo dado em relação a recuperação judicial. 

Segundo aumento em 2021

Em fevereiro deste ano, organizações da sociedade civil conseguiram acordo para impedir o aumento de R$ 1,20 sobre o valor, articulando para R$ 5 (antes R$ 4,70). Menos de 4 meses depois, o preço do transporte aumentará novamente.

Ainda em março, o Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio de Janeiro (Rio Ônibus) mostrou uma levantamento alertando que os transportes públicos da cidade do Rio de Janeiro registraram uma queda de 51% no número de passageiros durante o primeiro ano de pandemia do novo coronavírus.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos