Kanye West perde R$ 10 bi em um dia e diz: 'Dinheiro não me define'

Kanye West: rapper está perdendo parcerias de negócios a torto e a direito após comentários racistas e antissemitas (AP Photo/Evan Vucci, File)
Kanye West: rapper está perdendo parcerias de negócios a torto e a direito após comentários racistas e antissemitas (AP Photo/Evan Vucci, File)
  • "O dinheiro não é quem eu sou. As pessoas são quem eu sou", disse o rapper;

  • Ye perdeu um contrato estimado em R$ 7 bilhões com a Adidas;

  • Comentários vieram após o rapper ser expulso da sede da Skechers.

O rapper Ye, anteriormente conhecido como Kanye West, afirmou nesta quinta-feira que perdeu US$ 2 bilhões, ou R$ 10,5 bilhões, em apenas um dia após grandes empresas cortarem suas relações com o artista por conta de seus recentes comportamentos e comentários ofensivos.

Dentre as marcas que decidiram encerrar suas parcerias com o produtor musical estão a Adidas, a Gap, Balenciaga e Vogue. Com a Adidas, Ye, que também é designer de roupas, produziu o tênis Yeezy, que correspondia de 4% a 8% do faturamento da empresa.

Em uma publicação em sua conta no Instagram nesta quinta-feira, Ye se pronunciou sobre o fim de muitas de suas parcerias comerciais. Com a legenda "LOVE SPEECH", ou "Discurso de Amor", o rapper parecia se dirigir a Ari Emanuel, CEO da empresa de mídia e entretenimento Endeavor, que escreveu um artigo na publicação britânica Financial Times pedindo que empresas parassem de trabalhar com Ye por conta de seu discurso antissemita.

"PERDI 2 BILHÕES DE DÓLARES EM UM DIA E AINDA ESTOU VIVO", escreveu em caixa alta no post. "ESTE É UM DISCURSO DE AMOR. EU AINDA TE AMO. DEUS AINDA TE AMA.

"O DINHEIRO NÃO É QUEM EU SOU. AS PESSOAS É QUEM EU SOU."

Horas antes da publicação, Kanye foi escoltado para fora de um escritório corporativo da Skechers, marca de tênis casuais e esportivos, em Los Angeles. Segundo a empresa comunicou ao portal Business Insider, ele visiou a unidade "em aviso prévio e sem convite".

Além dos comentários antissemitas, o produtor musical provocou polêmica ao usar uma camiseta estampada com as palavras "White Lives Matter", ou "Vidas Brancas Importam", durante o desfile de sua marca de roupas na Paris Fashion Week no início do mês.