Após prisão por desacato a guardas, dupla ofende homem sem saber que era o delegado

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Trio foi filmado ofendendo o delegado em Curitiba - Foto: Reprodução/G1
Trio foi filmado ofendendo o delegado em Curitiba - Foto: Reprodução/G1
  • Trio foi preso por desacato a guardas municipais em Curitiba

  • Dois deles passaram a ofender o delegado, sem saber de quem se tratava

  • Eles seguiram presos, enquanto o terceiro integrante foi liberado

Dois jovens presos no último domingo por desacato a guardas municipais, em Curitiba, ofenderam um delegado após a detenção, sem saber com quem estavam falando. O episódio foi filmado e divulgado pelo G1 na noite de quarta-feira.

O delegado Rodrigo Souza explicou que três rapazes foram detidos no Museu Oscar Niemeyer e encaminhados à Central de Flagrantes. Lá, foram abordados pelo próprio Rodrigo e, sem saber quem ele era, dois deles deram início a uma nova série de ofensas.

Leia também

“Quando cheguei, vi que eles estavam alterados e perguntei o motivo de estarem gritando. Falaram que não iriam falar comigo, porque eu não mandava nada, que só iriam falar com o delegado e aí começaram as agressões [verbais]”, contou ao G1.

"Um deles me chamou de safado, usou um palavrão e me chamou de 'cabação'. O outro perguntou se eu já tinha lido algum livro na vida, disse que eu tinha cara de analfabeto.”

O trio aguardava para ser ouvido. Quando foram chamados para prestar esclarecimentos pelo episódio com os guardas municipais, deram de cara com Rodrigo e perceberam que haviam ofendido o delegado. “Aí, pediram desculpas.”

Durante a discussão, um dos rapazes tenta argumentar que, no trio, havia “um advogado, um estudante de direito”, antes de chamar Rodrigo de “cabação”. Já outro dos detidos afirma que o delegado “parece um analfabeto que não sabe conversar”.

Delegado considerou que episódio foi um retrato do racismo estrutural - Foto: Arquivo/Polícia Civil
Delegado considerou que episódio foi um retrato do racismo estrutural - Foto: Arquivo/Polícia Civil

O terceiro integrante é o único a tentar acalmar os ânimo. “Fica quieto, espera o delegado”, chega a dizer.

O trio vai responder por desacato aos guardas municipais, mas somente um deles foi liberado. Os outros dois foram presos pelas ofensas ao delegado.

Delegado vê "racismo estrutural"

Por mais que nenhum jovem tenha proferido qualquer expressão racista, Rodrigo considerou que a situação foi uma demonstração de racismo estrutural.

"Eles não falaram nada racista, portanto nenhuma injúria racial, mas ficou bem claro. Não cogitaram que eu fosse delegado em razão do racismo estrutural, por eu ser negro não posso ser um delegado?”, questionou.