Após quase nove horas, cirurgia de Bolsonaro chega ao fim

Bolsonaro fez cirurgia nesta segunda-feira (28) (Reprodução/Instagram)

A cirurgia do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para retirar a bolsa de colostomia terminou na tarde desta segunda-feira (28) após quase nove horas de duração. Em nota, o Palácio do Planalto afirmou que se tratou de um procedimento realizado “com êxito”; o porta-voz do governo, general Rego Barros, deve realizar um pronunciamento às 17h.

RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO NO SEU WHATSAPP

“O boletim médico será divulgado tão logo seja autorizado pela equipe médica. Às 17h haverá briefing à imprensa com o porta-voz da Presidência da República, general Rego Barros, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo”, diz a nota.

Reprodução

Bolsonaro entrou na sala de cirurgia por volta de 6h30 desta segunda, embora o início só tenha sido divulgado em torno de 7h. Ele internou ontem (27) no Einstein, na capital paulista, após realizar exames que indicaram normalidade para realizar o procedimento operatório. É a terceira intervenção cirúrgica pela qual o presidente passa desde que sofreu uma facada em Juiz de Fora (MG), em setembro passado.

Leia mais:
Governo estuda afastar diretoria da Vale, afirma Mourão

As primeiras informações, dadas antes da cirurgia, previam a recuperação do presidente em torno de 10 dias. Nas primeiras 48h após a cirurgia, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) assume interinamente a Presidência. Mourão deve conduzir, nesta terça (29), a reunião ministerial realizada uma vez por semana no Palácio do Planalto.

O presidente também utilizou as redes sociais na tarde de domingo, pouco após iniciar a internação, para agradecer aos apoiadores pelas orações. Em vídeo, ele cita a viagem à Davos, onde participou do Fórum Econômico Mundial na última semana, e o retorno tumultuado após a tragédia em Brumadinho, à qual classificou de “barbaridade”.

A cirurgia

Comandada pelo cirurgião Antônio Luiz Macedo, outros oito profissionais atuaram no procedimento: dois cirurgiões auxiliares, uma instrumentadora, dois anestesistas, uma enfermeira e dois técnicos de enfermagem.

A cirurgia consiste em abrir o abdome e religar as duas pontas do intestino grosso que hoje estão separadas para que o trânsito intestinal volte ao normal. A sutura será feita com grampeador cirúrgico e pontos manuais, segundo Marcondes.

Para isolar as áreas lesionadas da passagem de fezes, o intestino foi separado. Uma ponta ficou exteriorizada até a pele para saída das fezes pela bolsa coletora. E a outra ponta ficou fechada dentro.​

O procedimento envolve um corte de 30 cm a 40 cm, exatamente no mesmo lugar da cicatriz resultante das duas cirurgias anteriores. O orifício onde hoje está a bolsa de colostomia também será fechado. O presidente deve ficar com duas cicatrizes no abdome.

Segundo três gastrocirurgiões ouvidos pela reportagem, só quando o abdome estiver aberto é que será possível verificar claramente o grau de aderências na região.

Por causa dos ferimentos e dos procedimentos anteriores, é possível que haja alças intestinais grudadas entre si ou na parede abdominal.

O primeiro passo, então, é desgrudar esses tecidos. “Quanto mais aderências, mais a cirurgia pode demorar. Se a situação estiver favorável, pode levar três horas. Senão, de seis a 12 horas”, explica Diego Adão Fanti Silva, cirurgião do aparelho digestivo da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). (Com informações da Folhapress)

  • Mulher que agrediu verbalmente fiscal da Vigilância no 'Fantástico' é demitida
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Mulher que agrediu verbalmente fiscal da Vigilância no 'Fantástico' é demitida

    Durante uma fiscalização que ocorreu por volta de 21h de sábado, dia 4, um casal foi filmado atacou o fiscal

  • Wassef diz que provará relação com Bolsonaro: "Vou explodir todo mundo"
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Wassef diz que provará relação com Bolsonaro: "Vou explodir todo mundo"

    Ex-advogado do senador Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef diz que guarda “a sete chaves” provas de sua relação com o presidente Jair Bolsonaro.

  • Coronavírus: com poucos testes e sem lockdown, qual o mistério por trás da baixa mortalidade no Japão
    Saúde
    BBC News Brasil

    Coronavírus: com poucos testes e sem lockdown, qual o mistério por trás da baixa mortalidade no Japão

    País não fez lockdown e tem população idosa - então por que não morreram mais pessoas de covid-19? A resposta não está em um único fator, mas um motivo é que a população adotou, amplamente, as medidas de isolamento sugeridas pelo governo.

  • Morre, vítima da covid-19 aos 41 anos, o ator Nick Cordero
    Estilo de vida
    HuffPost Brasil

    Morre, vítima da covid-19 aos 41 anos, o ator Nick Cordero

    O ator da Broadway Nick Cordero morreu de complicaçoes relacionadas a covid-19apos uma batalha contra o virus que durou mais de 90 dias.

  • Morte de Reckful reacende debate sobre saúde mental e cultura do cancelamento
    Saúde
    HuffPost Brasil

    Morte de Reckful reacende debate sobre saúde mental e cultura do cancelamento

    “Cuidado com o que escrevem, pois palavras pesam e machucam."

  • Mulher que atacou fiscal no Rio tem empresa com capital de R$ 94 mil e marido recebe auxílio emergencial
    Negócios
    Yahoo Notícias

    Mulher que atacou fiscal no Rio tem empresa com capital de R$ 94 mil e marido recebe auxílio emergencial

    Uma das regras diz que o beneficiário pelo auxílio não pode ter renda familiar superior a três salários mínimos

  • Reitor cotado para o MEC deve ser reunir ainda hoje com Bolsonaro
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Reitor cotado para o MEC deve ser reunir ainda hoje com Bolsonaro

    Arisitides Cimadon, reitor da Universidade do Oeste de Santa Catarina, foi indicado pelo PL, partido que integra o Centrão

  • Covid-19: Testes da vacina em SP começam no dia 20 de julho
    Saúde
    Yahoo Notícias

    Covid-19: Testes da vacina em SP começam no dia 20 de julho

    O anúncio foi feito pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), durante a coletiva de imprensa desta segunda-feira (6).

  • 'Vamos fazer quatro grandes privatizações em 90 dias', diz Guedes
    Política
    Extra

    'Vamos fazer quatro grandes privatizações em 90 dias', diz Guedes

    Em junho do ano passado, o STF permitiu que o governo privatize subsidiárias sem o aval do Legislativo

  • Ameba 'comedora de cérebro': caso de infecção na Flórida gera alerta nos EUA
    Saúde
    BBC News Brasil

    Ameba 'comedora de cérebro': caso de infecção na Flórida gera alerta nos EUA

    Infectados pela ameba apresentam sintomas como febre, náusea, vômito, rigidez na nuca e dores de cabeça; estima-se que 97% dos infectados morrem — a maioria em até uma semana.

  • Vídeo mostra fuga de conselheiro por escadarias até flagrante da PF
    Notícias
    Folhapress

    Vídeo mostra fuga de conselheiro por escadarias até flagrante da PF

    O conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, Waldir Teis, foi preso após ser flagrado pela Polícia Federal

  • Partido criado por Bolsonaro, Aliança pelo Brasil está longe do registro
    Notícias
    Originais do Yahoo

    Partido criado por Bolsonaro, Aliança pelo Brasil está longe do registro

    O Aliança pelo Brasil, novo partido que o presidente Jair Bolsonaro tenta criar, ainda não conseguiu o registro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e tem enfrentado dificuldades para se concretizar.

  • Aras endurece medidas contra bolsonaristas e tenta conter isolamento
    Política
    Folhapress

    Aras endurece medidas contra bolsonaristas e tenta conter isolamento

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Isolado internamente e alvo de críticas no Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Augusto Aras, usou o inquérito dos atos antidemocráticos para investigar aliados do presidente Jair Bolsonaro e mandar sinais de isenção à própria categoria e ao STF. A PGR fechou o cerco aos organizadores dos protestos que pediam fechamento do Congresso e do Supremo e realizou ações contra deputados e apoiadores do governo. Além disso, agiu com celeridade no caso dos fogos de artifícios lançados em direção à sede da corte. Essa postura de Aras foi bem recebida no Supremo, que também tem interesse em manter boa interlocução com a PGR. Isso porque a punição de pessoas que atacam o STF e estão sendo investigadas no inquérito das fake news depende diretamente do procurador-geral, responsável por denunciar autoridades com foro ou por encaminhar os casos para terem seguimento em instâncias inferiores. O alinhamento com o Supremo começou justamente na semana anterior ao julgamento que validou a investigação contra ameaças e disseminação de notícias falsas a integrantes do STF. A disputa com a força-tarefa da Lava Jato, dizem interlocutores de ministros e do PGR, também ajudou a melhorar a relação com o STF, principalmente com a ala da corte crítica à operação. A reaproximação com o STF ocorre no momento em que Aras enfrenta uma queda de braço interna com um movimento que tenta limitar seus poderes. Nas últimas semanas, ele sofreu quatro derrotas nas eleições para o Conselho Superior do Ministério Público Federal e perdeu a maioria no colegiado responsável por diversas definições importantes do órgão. No último dia 8, o presidente do STF, Dias Toffoli, afirmou que Aras tem agido com "prudência e parcimônia" e que recebe críticas "injustas". A declaração ocorreu quando o procurador-geral mais precisava, cinco dias depois de ter se envolvido em uma polêmica sobre a interpretação do artigo 142 da Constituição. Em entrevista à Globo, ele afirmou que um Poder que invade a competência de outro perde suas garantias constitucionais e isso poderia ensejar a atuação das Forças Armadas. No mesmo dia, soltou uma nota para tentar justificar a afirmação, que pegou mal entre integrantes do Ministério Público. A nova posição sobre o tema, porém, não foi suficiente para acalmar os ânimos dentro da PGR. Os integrantes do órgão mantiveram as críticas sobre a proximidade de Aras com Bolsonaro e, no Congresso, ganhou força uma proposta que visa vincular a indicação do chefe do Executivo para a PGR à lista tríplice eleita pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). O atual PGR não estava na lista e nem sequer participou da disputa. Neste cenário, Toffoli foi o primeiro a estender a mão e sair em defesa do procurador-geral, que, segundo ele, tem atuado perante o STF com "coragem" e sem "cair em vaidades". O ministro o cumprimentou por "não querer holofotes", como disse ter acontecido em um passado recente, em referência indireta ao ex-PGR Rodrigo Janot. Aras retribuiu a gentileza. Depois de ter se oposto a medidas adotadas pelo ministro Alexandre de Moraes no inquérito das fake news contra aliados do presidente, a PGR endureceu o discurso e fechou o cerco aos defensores do fechamento do Congresso e do STF. A procuradoria-geral pediu, e Moraes autorizou, 29 mandados de busca e apreensão contra parlamentares, empresários e militantes influentes na base do chefe do Executivo. Os deputados Bia Kicis (PSL-DF), Guiga Peixoto (PSL-SP), Aline Sleutjes (PSL-PR) e General Girão (PSL-RN) foram alvo da operação e passaram a ser investigados porque teriam usado verba parlamentar para incentivar os atos antidemocráticos. Além disso, a PGR solicitou, e Moraes também autorizou, a prisão da extremista Sara Winter, que era líder do grupo armado de direito "300 do Brasil" e costumava insultar ministros do STF. No episódio em que apoiadores de Bolsonaro dispararam fogos de artifício em direção à sede do STF o alinhamento entre Supremo e PGR também foi imediato. O presidente da corte pediu, e Augusto Aras instaurou um procedimento para investigar o caso horas depois. Na última sessão do STF do semestre, o PGR foi o responsável pelo discurso mais enfático em defesa da corte. Ele citou os ataques ao Supremo e ressaltou a necessidade de distinguir liberdade de expressão do cometimento de crimes previstos nas leis penais e na Lei de Segurança Nacional. Ainda segundo Aras, a PGR e o STF deram mostras de "vigor institucional e atuaram tanto em prol do direito à vida quando em prol da ordem econômica e dos direitos coletivos, todos ameaçados" na crise do novo coronavírus. Já o enfrentamento com a Lava Jato ajudou a melhorar a relação com a ala do STF que sempre fez críticas à operação, sempre exaltada pelos antecessores de Aras. A disputa do comando da procuradoria-geral com os investigadores começou após a subprocuradora Lindora Araújo, uma das principais aliadas do PGR, fazer visita à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. A visita foi mal vista por parte dos integrantes do MPF no Paraná. Eles questionaram a iniciativa de Lindora Araújo e, em ofício enviado à Corregedoria do MPF, acusaram ela de realizar manobra ilegal para copiar bancos de dados sigilosos de investigações de maneira informal e sem apresentar documentos ou justificativas para a tomada dessa providência. A Lava Jato disse não saber se a ida da subprocuradora foi de natureza "administrativa, correicional ou finalística" e ressaltou nunca ter sido informada sobre a pauta da reunião. A corregedora-geral do MPF, Elizeta Ramos, abriu uma sindicância para apurar o caso. A reação da força-tarefa irritou Aras, que respondeu as insinuações em uma nota dura, em que disse que o grupo não é um "órgão autônomo" do Ministério Público. "Fora disso, a atuação passa para a ilegalidade, porque clandestina, torna-se perigoso instrumento de aparelhamento, com riscos ao dever de impessoalidade, e, assim, alheia aos controles e fiscalizações inerentes ao Estado de Direito e à República, com seus sistemas de freios e contrapesos", disse Aras. ATRITOS A PGR abriu procedimento preliminar para verificar se o deputado Eduardo Bolsonaro pode ser enquadrado na Lei de Segurança Nacional por ter afirmado que não é questão de "se, mas de quando" irá ocorrer uma ruptura institucional A PGR pediu, e o ministro Moraes autorizou, 26 mandados de busca e apreensão contra bolsonaristas no inquérito dos atos anti-democráticos ACENOS Aras se alinhou ao governo em relação ao sigilo do vídeo da reunião ministerial citada pelo ex-ministro Sergio Moro em depoimento à PF Aras se posicionou contra a apreensão do celular de Bolsonaro solicitada por parlamentares no inquérito que apura se o presidente violou a autonomia da PF

  • Helicóptero cai no mar da Baía de Guanabara, na altura da Praça Mauá
    Notícias
    Extra

    Helicóptero cai no mar da Baía de Guanabara, na altura da Praça Mauá

    De acordo com o Corpo de Bombeiros, há pelo menos três vítimas, ainda não identificadas, que estavam a bordo da aeronave

  • Eterna Miss Brasil das "duas polegadas", Martha Rocha morre no Rio aos 83 anos
    Notícias
    Extra

    Eterna Miss Brasil das "duas polegadas", Martha Rocha morre no Rio aos 83 anos

    O país perdeu no sábado aquela que é sempre lembrada como sua primeira Miss Brasil oficial. A...

  • 8 filmes com trilhas inesquecíveis de Ennio Morricone
    Entretenimento
    HuffPost Brasil

    8 filmes com trilhas inesquecíveis de Ennio Morricone

    É impossível não ter pelo menos um grande tema composto pelo mestre italiano que você não conheça.

  • Padre diz que Bolsonaro é "bandido" e que eleitores devem confessar pecado; veja
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Padre diz que Bolsonaro é "bandido" e que eleitores devem confessar pecado; veja

    O presidente Jair Bolsonaro recebeu duras críticas do padre Edson Adélio Tagliaferro durante missa na Igreja Matriz Nossa Senhora das Dores, em Artur Nogueira (SP).

  • 'Cobre seu governador': qual a responsabilidade do governo federal no combate à pandemia?
    Política
    BBC News Brasil

    'Cobre seu governador': qual a responsabilidade do governo federal no combate à pandemia?

    Presidente tem repetido que caberia a Estados e municípios a tarefa de responder à ameaça da covid-19 - não é isso, entretanto, o que diz a Constituição.

  • Uma esperança
    Saúde
    AFP

    Uma esperança

    O laboratório farmacêutico Regeneron anunciou nesta segunda-feira (6) que entrou na fase final de ensaios clínicos em humanos da pesquisa que conduz para obter um medicamento que trate e previna a Covid-19.