Após ser chamado de ‘coronelista’, Ciro Gomes processa Fernando Holiday por injúria racial

Ana Paula Ramos
·3 minuto de leitura
Candidato à presidência em 2018, Ciro Gomes processou vereador paulistano por injúria racial (Photo credit should read THIAGO GADELHA/AFP/Getty Images)
Candidato à presidência em 2018, Ciro Gomes processou vereador paulistano por injúria racial (Photo credit should read THIAGO GADELHA/AFP/Getty Images)

Ciro Gomes, candidato à presidência em 2018 pelo PDT, está processando o vereador de São Paulo Fernando Holiday (Patriota) por causa de um vídeo em que é chamado de “coronel” pelo membro do MBL. A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo.

O pedetista pede R$ 50 mil referentes a danos morais.

Leia também

Em janeiro, Holiday publicou em suas redes sociais um vídeo com o título “Hilux penhorada: e agora Ciro Gomes?”, em referência à penhora do veículo pertencente a Ciro em processo judicial. Segundo representantes de Ciro no processo, Holiday teria debochado do pedetista ao chamá-lo de “coronelista”, em “claro preconceito com suas raízes nordestinas”.

Holiday diz no vídeo: “E Ciro Gomes, claro, por seu um coronelista, por ter uma influência muito grande no interior do país, especialmente no Ceará, ele acabava, de uma forma ou de outra, se livrando dos processos”.

Os representantes de Ciro afirmam, no processo, que há a tentativa de ofender Ciro em razão de suas origens nordestinas e, assim, Holiday estaria incorrendo em xenofobia e injúria racial. Segundo eles, em outras ocasiões, o vereador chamou Ciro de coronel nas redes sociais.

“Trata-se nitidamente de uma injúria racial, na qual o agente ativo imputa ao agente passivo uma condição inferior, utilizando-se dos atributos raciais deste, a fim de ofender e ferir sua honra. Esses atributos, no caso do sr. Ciro Gomes, são o fato de representar nacionalmente a região nordeste”, escrevem os advogados.

Eles citam também que o termo coronelismo está ligado a mandonismo, falseamento de voto e troca de favores, valores que não têm qualquer relação com as práticas políticas de Ciro Gomes.

Ao jornal Folha de S. Paulo, Holiday disse que se referiu a Ciro como coronel “por conta de seu perfil autoritário amplamente conhecido do público, nada tem a ver com suas origens nordestinas”. “Até mesmo porque minha família inteira tem essas origens. Ciro tanto sabe disso que já usou o mesmo termo para criticar outros políticos pelo país”, acrescentou.

Ciro já havia sido processado por Holiday por ter chamado ele de “capitãozinho do mato”. Como indenização, houve a penhora da Hilux de Ciro, à qual o vereador se referiu em sua postagem.

“Ciro tenta encontrar uma maneira de fugir os processos que ele foi condenado a me pagar por conta de ofensas racistas, e ainda não o fez. É mais uma tentativa de me colocar na senzala ideológica da esquerda”, escreveu em sua rede social.