Após ser criticado por ‘Mamãe Falei’, padre Júlio Lancellotti alerta: ‘Se me acontecer alguma coisa, sabem quem cobrar’

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
SAO PAULO, BRAZIL - APRIL 19: Father Julio Lancellotti of the Catholic Church distributes food donations at the Paroquia Sao Miguel Arcanjo da Mooca amidst the coronavirus (COVID-19) pandemic on April 19, 2020 in Sao Paulo, Brazil. According to the Brazilian Health Ministry, Brazil has 38.654 positive cases of coronavirus (COVID-19) and a total of 2.462 deaths. (Photo by Rodrigo Paiva/Getty Images)
Padre Júlio Lancellotti em distribuição de comida para moradores em situação de rua (Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images)

O padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua, foi xingado na manhã desta terça-feira, 15, enquanto fazia ações sociais com pessoas em situação de vulnerabilidade em São Paulo. Em vídeo divulgado nas redes sociais, ele relatou ter sido chamado de ‘padre filho da puta que defende noia’ por um motoqueiro.

“Estava aqui na praça com os irmãos de rua e vendo uma situação, e passou uma moto por aqui e o cara falou ‘padre filho da puta que defende noia’”, afirmou. Para o padre, ele está mais em risco desde que foi criticado pelo candidato à prefeitura de São Paulo Arthur do Val (Patriota), conhecido como Mamãe Falei.

“Depois de ataques de alguns candidatos à prefeitura contra mim, eu estou cada vez mais em risco. Então, quero deixar claro: se me acontecer alguma coisa, se alguém me atingir, se eu for atingido por alguém, vocês sabem de quem é a culpa, sabem de quem cobrar”, alertou.

Leia também

O youtuber, que faz parte do Movimento Brasil Livre (MBL), fez críticas a ativistas que ajudam a população em situação de rua. Em entrevista ao El País, o candidato afirmou que “o centro histórico não pode ser um ambiente onde você dá a comida e o morador de rua pegue seu cobertor, durma na rua, e sabe-se lá onde esse cara vai fazer suas necessidades e largar o lixo daquela marmita”.

Sobre o padre Júlio Lancellotti, Do Val disse que as ações dele são destrutivas para a cidade. “As pessoas acreditam que o padre conhece aquela realidade, mas não, ele aparece para dar marmita a serviço de ONGs, mas não soluciona o problema. Eu duvido que o padre tenha dado uma volta na cracolândia”, disse ao El País.