App Store seria uma bagunça 'tóxica' se não tivesse controle, diz CEO da Apple

·2 minuto de leitura
O CEO da Apple, Tim Cook, visto em 2019, defendeu a gestão da App Store

A loja online da Apple se tornaria uma bagunça "tóxica" se a fabricante do iPhone fosse forçada a permitir aplicativos de terceiros sem revisá-los, disse o CEO da empresa, Tim Cook, em uma ação judicial que questiona o controle estrito da empresa sobre sua plataforma.

Cook, a última testemunha no processo movido pela responsável pelo jogo Fortnite, a Epic Games, fez uma forte defesa dos procedimentos da Apple para revisar e aprovar todos os aplicativos que oferece aos usuários do iPhone e do iPad.

"Não poderíamos continuar a prometer (...) privacidade, segurança e proteção", afirmou Cook ao ser interrogado pela advogada da Apple, Veronica Moye, no tribunal federal da Califórnia.

Cook disse que o processo de revisão realizado pela Apple ajuda a evitar softwares maliciosos e outros aplicativos problemáticos, ajudando a criar um ambiente seguro para os consumidores.

Sem essa análise, a loja online "se tornaria uma espécie de bagunça tóxica", declarou. "Também seria terrível para o desenvolvedor, que depende da loja ser um lugar seguro e confiável."

O depoimento de Cook encerra um julgamento de grande repercussão que começou no início deste mês, no qual a Apple é acusada de abusar de um monopólio de seu mercado.

A Epic Games quer forçar a Apple a abrir sua loja a terceiros que buscam contornar os procedimentos e comissões de até 30%.

A Apple removeu o Fortnite da App Store no ano passado, depois que a Epic fugiu da divisão de receitas com a fabricante do iPhone.

A empresa criada por Steve Jobs não permite que os usuários de seus dispositivos baixem aplicativos de qualquer lugar que não seja sua App Store, e os desenvolvedores são obrigados a usar o sistema de pagamento da Apple, que retira sua parte.

O caso apresentado à juíza distrital Yvonne González Rogers surge enquanto a Apple é pressionada por uma ampla gama de fabricantes de aplicativos a respeito da gestão da App Store, que, segundo críticos, representa um comportamento monopolista.

A União Europeia acusou formalmente a Apple de pressionar injustamente seus concorrentes de streaming de música com base em uma queixa apresentada pelo Spotify, com sede na Suécia, e outros, que afirmam que o grupo californiano estabelece regras que favorecem a Apple Music.

A recém-formada Coalizão pela Equidade dos Apps, que inclui o Spotify e a Epic, pediu à Apple para abrir sua loja, alegando que sua comissão é um "imposto" sobre os rivais.

juj-rl/st/mps/dg/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos