Apple é acusada de má gestão de denúncias de conduta sexual imprópria

Quinze funcionárias e ex-funcionárias da Apple acusaram a empresa de administrar mal suas denúncias sobre comportamentos sexuais inapropriados, disse nesta quinta-feira (4) o jornal Financial Times.

As mulheres denunciaram retaliações e respostas decepcionantes ou contraproducentes a suas demandas por parte da gigante do Vale do Silício.

A Apple afirmou ao jornal que trabalha duro para investigar as queixas sobre má conduta e acrescentou que fará mudanças em seus processos de treinamento.

O Vale do Silício foi abalado por escândalos de assédio sexual e discriminação em meio ao auge do movimento #MeToo, impulsionando processos de mudança em uma indústria dominada por homens.

Uma das mulheres citadas no texto, Megan Mohr, se inspirou no #MeToo para denunciar em 2018 que um colega da Apple havia tirado sua blusa e seu sutiã para fotografá-la enquanto ela dormia brevemente após saírem uma noite para beber.

Segundo a reportagem, depois de falar com o setor de recursos humanos sobre a queixa, a empresa concluiu que o comportamento do funcionário era potencialmente criminoso, mas não infringia nenhuma política no contexto do trabalho dele na Apple.

Mohr pediu demissão em janeiro, após 14 anos na empresa, e agora pede que a companhia, que emprega 165 mil pessoas globalmente, revise suas políticas.

jm/md/dl/yow/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos